20 de jul de 2010

O perigo de um beijo no rosto


Ninguém merece certas coisas e neste fim de semana eu fui há uma festa julina no condomínio de uma velha amiga e assim que cheguei cumprimentei um colega que não via há muitos anos. Trocamos o classíco beijo no rosto ( considerado por todas as pessoas com mentalidade saudável como algo absolutamente normal) e trocamos apenas uma breve e inocente frase (pensei eu). Para minha surpresa, poucos minutos depois veio uma "louca" até mim, indignada com o fato do marido dela e eu termos nos cumpimentado.
O que fazer numa horas dessas!? Você ali, rodeada de pessoas semi-desconhecidas e uma mulher se aproxima de você toda raivosa, exigindo satisfações descabidas...Sou conhecida por todos por meu comportamento comedido, pela serenidade e pelo bom senso, qualidades que certamente faltavam aquela desmiolada. Nunca me imaginei naquela situação constrangedora, que graças a Deus durou poucos minutos ou teriam sido segundos!? O diálogo foi mais ou menos assim:
- Você é a esposa do segurança e eu sou a esposa daquele que você beijou!!! - disse a louca irada - Eu o conheço a tantos anos!?!?-eu respondi sem entender o que estava acontecendo -Ele não me deixa falar com ninguem...mas você ele beijou... - a louca - Muito prazer meu nome é Paula - eu Ela virou as costas e falou o seu nome: - Rose.
As pessoas que observavam vieram me dizer que ela era louca e estava acostumada a fazer coisas do tipo, mas o que leva uma pessoa a se portar desta forma? O marido dela deve ter explicado que me conhecia a muito tempo e que inclusive o meu marido trabalhava no condomínio, mas ela não se satisfez coom as explicações. Conjecturando sofre o fato, como deve ser terrível uma relação baseada no ciúme e na insegurança, pois apesar desses aparecerem em algum momento do convívio a dois, não podem de forma alguma comandar um relacionamento.
Uma relação só caminha e progride com confiança mútua, respeito, admiração e claro muito amor. Por isso, sempre que me sinto abalada emocionalmente ou desesperançanda recorrro ao livro de Corintios capitulo 13:4-6

O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensorbece.
Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;
Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade.
Eu acredito no amor, na fidelidade, no respeito e na comunhão entre os parceiros. E preservo todos esse valores em meu relacionamento, para que seja sempre uma união saudável e prazeroza.

8 comentários:

  1. Oi Paula!
    Nem me fale em ciúmes! Eu, sinceramente, tenho um pouco de dó das pessoas ciumentas como esta moça que você mencionou. São pessoas que sofrem.
    Certamente, logo após esta "cena" toda, ela deve ter se martirizado: "Por que eu fiz aquilo? Que droga! Eu deveria ter me controlado".......... até que um tempo depois, ela deslizará novamente com outras mulheres, outras amigas e em outras situações. Se ela mesma não se tocar logo, continuará fazendo isso por muito tempo. Até que o marido vai cansar e aí já sabe...
    As mulheres devem ser inteligentes! Demonstrar que são seguras para seus maridos (mesmo se não são). Os homens querem mulheres fortes ao seu lado e não uma descontrolada.
    Aff... esse povo tem muito que aprender.
    Depois reclama...

    PS. Obrigada pelo recadinho no meu blog!!! Volte sempre! Seu blog está muito interessante!!!!! Bjs

    ResponderExcluir
  2. Oi Paula...
    Tudo bem?
    Passei por aqui, por indicação da Flavia e adorei seu blog, amei seu post, acredito que o Amor, não necessita desses fatores para se sustentar o amor por si só se basta, pois com ele vem milhares de valores positivos e o ciúmes não se encaicha nele...estou te seguindo...
    Beijos
    Ariana

    ResponderExcluir
  3. Tbm passei por aqui por indicação da Flávia. Eu me considero uma pessoa ciumenta, mas cena desse tipo dessa aí nunca fiz.

    Isso não é ciúme é possessão.

    Beijocas

    ResponderExcluir
  4. Me lembrei de outro detalhe:

    A gente vive falando: a fulana é ciumenta, é doida-varrida, descontrolada, mas e o marido? E o namorado? Será que os homens não andaram dando motivos para deixar a fulana neurótica em ponto de bala?
    Não estou me referindo especificamente à este texto, mas no geral.
    Tem homem que é fogo viu?

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bem??? Vi seu link no último post da Ju (Diario de uma vida a dois) e resolvi conferir seu blog ;) Então, esse lance todo de ciúmes é uma coisa bem complicada. Eu sou casada há 19 anos e sou muito ciumenta (ao menos eu me considero^^) mas nunca fiz uma cena de ciúmes desse tipo. O que eu teria feito: conversaria com ELE e perguntaria quem vc era pra só depois da resposta dele, ver se era verdade. Sabe, acho que a atitude dela se deve ao comportamento dele (vc fala no post q ele não a deixa falar com ninguem)e isso não justifica, mas explica em parte a atitude dela. É claro q vc não tem nada a ver com isso, mas a gente não sabe como está o relacionamento deles no momento né? Eu falo um pouco pela minha experiência, tenho um marido q não me dá segurança e eu me senti muito insegura várias vezes.
    Realmente uma situação complicada. Tenho pena da "Rose" que deve estar sofrendo muito...
    Gostei do seu blog!
    Beijos, ótimo final de semana =*

    Meu blog: http://doceinsensatez.com/blog

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Acho que o comprimento com beijo no rosto para mulheres casadas é deselegante, acho que nós homens somos tendenciosos nessa situação, homem é mais toque então não tem problema comprimento de mão ou aceno, a não ser que exista um interesse...

    ResponderExcluir
  8. SOU DAS ANTIGA ACHO QUE ESPOSA É ALGO SAGRADO PARA SEU MARIDO VAI BEIJAR AMÃE!

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita. Ficarei muito feliz se quiser deixar seu comentário.