18/10/2010

Aprendendo a ser madrasta

Certas coisas na vida são muito difícies e sair da solterice para a vida de casada foi uma delas.  Quando dei o grande salto, a pessoa que escolhi já veio com o "pacote" completo e de repente, além de ter que administrar as  delícias e conflitos da vida a dois, tive também que me adaptar a minha nova condição de madrasta.
No último post apresentei minha enteada e hoje vou contar um pouco as principais dificuldades que enfrentei nesta jornada. No meu caso, me envolver com um homem que já tinha filhos, foi mais ou menos como casar grávida e sem direito a lua-de-mel. Nem tive de tempo de curtir as delícias do matrimônio e já estava as voltas com uma criança de dois anos e cheia de receio de cometer alguma imprudência e despertar a ira de uma mãe ciumenta ou de um pai devotado.
Não sei se existe algum manual ensinando "como ser uma boa madrasta" e como não li nenhum, fui aprendendo na prática como lidar com as situações que minha enteada apresentava, tais como:
como deveria me chamar
o que eu era do seu pai
o que eu era dela
por que o pais dela haviam se separado
dizer que a mãe me detestava
por que eu não vou as suas festas de aniversário
Como explicar certas coisas a uma criança de 3 anos? Como nunca foi minha intenção tomar o lugar de ninguém, sempre deixei bem claro que ela poderia me chamar do que quisesse e desta forma, ela me trata pelo primeiro nome. Acho que o carinho não esta no título e sim no sentimento e assim, nada de tia, ou mãe fulana ou segunda mãe. Quanto ao que sou para ela, achei melhor que ela me tivesse como amiga e assim, virei sua melhor amiga mais velha e segundo ela própria, sou sua boa amiga.
A questão mais difícil de responder era por que os pais se separaram e o que dizer da sua  afirmação que a mãe me detestava?  E explicar que eu não seria bem-vinda nas suas festinhas?Foram saias justas que eu evitei polemizar, afinal já era muita informação na cabeça da criança.
Mesmo nós duas sendo "boas amigas", muitas vezes a convivência se tornou difícil e quando ela complentou quatro anos, muitas vezes pensei que eu não fosse segurar a barra. Confesso não estar preparada para lidar com uma crianaça mimada e cheia de vontades e um pai que se achava mais recreador do que educador e que achava melhor deixar as coisas correrem frouxa, já que segundo ele, pai de fim de semana não consegue impor limites.
Neste período eu me vi uma criatura totalmente estressada, constantemente desafiada por minha pequena enteada, que passou a me responder mal e pelo pai, que me olhava torto quando eu tentava corrigir algum comportamento da menina.
Sem manual, acredito que a vontade de ficarmos juntos foi o que nos levou a se adaptar, pelo menos no meu caso e aos 6 anos, já posso  dizer que minha enteada já é uma mocinha e se comporta bem melhor e meu marido já não se ofende quando preciso repreender a menina.
Eu também amadureci bastante, já não sinto tanta necessidade de atenção e apesar das dificuldades esta valendo a pena.
Hoje sou melhor do que ontem e amanhã serei melhor que hoje.


111 comentários:

  1. Paula, que dificuldade né?
    Imagino que deve ter sido difícil, mas o pensamento é esse mesmo. Que hj vc ta melhor que ontem e amanhã melhor que hj.
    E é assim a vida.
    Beijos, Camila.
    odesabapho.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Realmente complicada essa situação né Paulinha? Acho que vc agiu e age muito bem com sua enteada. Fico imaginando se isso fosse comigo, ou se eu estivesse do outro lado da moeda (se eu fosse a mãe da menina), como será que eu agiria? Não sei se com a mesma serenidade que você, mas tbem iria tentar fazer o meu melhor e sei que é o que você está fazendo.
    Tenha uma linda semana flor, fique com Deus, beijão =*

    ResponderExcluir
  3. Oi Paulinha! É isso aí né garota! A vida vai nos ensinando mas somente quando estamos abertas pra aprender! E temos oulhos e ouvidos abertos! Parabéns pela caminhada!
    beijocas,
    Mari

    ResponderExcluir
  4. Pois é. Vamos virar fashionistas??? rsrsrs
    Gosto de admirar o estilo das meninas. E tirar ideias. Mas se eu me comprometer a postar os looks acho que vou furar.
    Prefiro postar quando achar que o look merece rsrsrs
    Mas mostrar o rosto é outra história hahaha
    Então, tava pensando em marcarmos alguma coisa entre as blogueiras do Rio pro final do ano. Com direito a amigo oculto e tudo o mais rsrsrs
    O que acha?
    Bjão, Camila.

    ResponderExcluir
  5. Nossa vc é uma guerreira.
    Eu nao tenho a menor paciência pra ensinar nada, até pq os meus nao vem a minha casa sempre e qdo vem eu so falo o necessário, pois a mae deles tb me odeia. Mas enfim, o proprio nome diz, ele são enteados e como no seu caso so vem no final de semana, nao acredito que vc tenha obrigação de ajudar educar e sim, o pai que precisa tomar as redeas.
    MAs cada um com seu cada um. Eu faço apenas "sala" como ele nao falam nada que me magoe, apenas falam o necessário esta td bem.
    No meu caso, eles so me irritam qdo o lance é dinheiro que eles adoram explorar o pai e o mesmo acha que é normal. Mas vida que segue.
    parabéns pelo seu crescimento. Abraços
    Sonhadora
    http://2010palavrasaovento.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Gostei bastante do seu blog, e vc escreve muito bem, Parabéns!
    aproveito a passadinha para te convidar a participar de uma SUPER PROMOÇÃO no espaço Senhorita
    sempresenhorita.blogspot.com
    não perca!!!
    bjos

    ResponderExcluir
  7. Ah! Procura na internet.
    Quer que eu procure pra vc?
    Essa academia é no Méier. 30,00 por mês.
    1 aula por semana.
    Então, vamos agitar o encontrinho.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Oi Paulinha, minha amiga!
    Ufa!! Quanto tempo!!!!!!
    Minha vida está uma correria só! Mas, acredito que seja uma fase. Muito trabalho e cansaço também. Não dá para sobrar muito tempo para os nossos blogs. Fico triste com isso, mas fazer o que né amiga???
    Sempre que dá, corro aqui!
    Adoro seu blog!!!!!!!!

    Bom, esse assunto que você abordou aqui é muito delicado porque é super individual. Cada mãedrasta lida com esta situação de maneiras diferentes porque depende muito da criança, da mãe biológica, de como a separação se procedeu, etc....

    O que é bacana foi vc ter se mostrado tranquila em relação à menina, não dando uma margem à neuras!!! Imagino como deve ser complicado para uma criança novinha entender tudo!

    Você é demais amiga!
    O que me comoveu tb foi saber que vc não teve um início de casamento, digamos "comum". Foi o que vc disse: casório grávida sem lua-de-mel.

    Mas, pelo que vejo, vc tira de letra, afinal de contas, em nome do amor, somos fortes e capazes de tudo não é mesmo???

    Um beijo amiga!!!!
    Juro que depois voltarei com mais tempo para ler TODAS as postagens!!!!!!!!!!!!!

    Bjssssssss

    ResponderExcluir
  9. Olá!
    Leio bastante sobre o tema:MADRASTA! Vejo muitas histórias de pessoas que conseguem lidar muito bem com isso e outras não.No meu caso, vivo um conflito que parece não ter fim... minha enteada já morava com o pai antes do nosso casamento, pq a mãe menina não quis ficar. Então, quando eu e meu marido nos casamos ela veio morar conosco. Desde de antes do meu casamento eu e minha enteada sempre nos relacionamos muito bem e eu já ajudava na educação dela junto com o pai. O que eu não esperava é que depois do meu casamento a "mãe biológica" começaria a querer uma relação mais estreita com a filha...baseda em um monte de mentiras sobre o pq de não ter ficado com a filha; deu um celular a filha; queria sempre que a menina fosse visitá-la; liga sempre; fala mal de mim e do pai dela, enfim... tudo começou a mudar. O problema é que amo muito a minha enteada e sempre a tratei como uma filha de verdade, porém agora a menina tem se aproximado da mãe e se distanciado de mim aos poucos. A mãe dela nunca assumiu a responsabilidade de ser "mãe" e eu ao contrario não gerei essa criança e assumi com todo amor e com todas as responsabilidades de uma mãe! Inclusive tenho deixado os meu sonhos de lado pra cuidar dessa criança qua hoje tem 9 anos. Quem realmente é a mãe? Quem apenas pariu ou eu? Angustia é pouco pra o que eu sinto...não sei o que fazer!
    Difícil...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tbm tenho enfrentado algumas dificuldades nesse sentido. Mas, no meu caso, me dou até bem com a mãe dos meus dois enteados, tão bem, que acho até que ela se aproveita disso pra eximir-se da responsabilidade de mãe! Quanto ao meu marido, esse sim, vive uma neura e está pra me enlouquecer, quer que eu assuma o papel de mãe, pra ter paciência com as birras, e tem coisa que não dá!
      Ele muitas vezes é ausente e joga muitas das suas responsabilidades para a minha costa, o que tem acabado comigo, e com nossa relação conjugal!!
      Diferente da maioria aqui, acho que não vou aguentar por muito tempo!!

      Excluir
  10. No começo, meu enteado morava com o pai e a minha sogra, a mãe fugiu por ai com outros homens, largou filho e marido, era desestruturada em suas raras visitas, Aí, depois que me casei com meu marido e tivemos nossa primeira filha, ele passou num concurso e a ex "apareceu de repente", querendo a guarda do filho.Ela ficou um ano com ele, e descobrimos que ela embolsava o dinheiro para si e deixava o meu enteado malcuidado, num ambiente promiscuo, drogas e tudo mais. Fiquei com pena , apoiei meu marido para tentarmos tirar a guarda dela, e com muito custo(afinal,a ex finge muito bem e é manipuladora, sem escrúpulos e tal), conseguimos ganhar a guarda e tive compaixão dele. Tentei ser a mãe, como você,dando carinho e corrigindo quando era preciso, (como qualquer mãe) achando que faria bem ao meu marido e a ele):Ele passou a morar conosco e os problemas surgiram: o marido passa a ter medo de perder o filho e o cerca de mimos, às vezes descabidos,você faz o melhor que pode,o enteado por medo de perder o amor do pai e manipulado pela minha possessiva sogra, (que no fundo gostava da situaçao de ser a substituta da mae para o neto e queria meu marido de volta na casa ela, embora fingisse isso e dizer que me adorava) e pela mãe.As duas tentando jogar o enteado contramim.E sofri horrores com isso.fiz psicoterapia e enxerguei essas coisas da sogra.E me envolvi tanto com isso,e o resultado: Foram anos de brigas, ciúmes, meu marido só acreditava no meu enteado(minha sogra ardilosa tentava que o meu enteado ficasse contra mim, só ela podia ser a boa "2a mãe" dele o, meu casamento quase acabou e busquei ajuda. Quando me falaram para deixar meu enteado por conta do meu marido, me senti excluída e incompreendida, mas hoje enxergo que foi a coisa certa, graças a Deus me falaram isso.,afastei da minha sogra, trato a bem, mas "a distancia", não me envolvo com esse problema, pus meu casamento em primeiro lugar. VENCI E HOJE VIVO BEM COM TODOS. nossas filhas agradecem. Ser madrasta é difícil: se você age, você está intrometendo. Se você não age, está se omitindo. Mas é melhor se omitir e deixar que os outros (que não são madrastas e nem entendem as nossas dificuldades e dúvidas)falem as besteiras para lá... Você deverá apenas ser uma pessoa amiga, quando solicitada .Mas a solução e o melhor a fazer é cuidar dos momentos a dois, fortalecer o vínculo de casal que vocês são,fazerem programaçôes a dois para adubar a relação,rezarem juntos , colocar Deus na vida de vocês e ter sua própria filha com seu marido, aí sim você poderá ser mãe.Não tente resolver um problema que não é seu, mais tarde você sofrerá muito, experiência própria. Apóie seu marido sempre, sem intrometer, mesmo que seja com boas intenções. Jamais fale mal da mãe de sua enteada, por pior que ela seja, sempre fale bem, você lucrará com isso, meu enteado hoje me chama de mãe (só chama , eu não me iludo em pensar que eu seja sua mãe), meu casamento ressucitou, o feitiço da ex se voltará contra ela mesma(ela tentava a todo custo me jogar contra o meu enteado para que ele voltasse a morar com ela e ela recebesse a pensao). Hoje vivo muito bem com ele e nossas filhas. Não se preocupe: seu marido, com base nos valores que vai aprender com seu amor por ele, cuidará da sua enteada do jeito certo.Procure compreendê-lo, e comprender o medo de sua enteada de perder o amor do pai(se ainda não demonstrou, um dia vai demonstrar, pode ter certeza)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou a passar a mesma situação que você. minha enteada me odeia, é super hiper ciumenta e só está bem qundo o bem está com ela....eu nem posso me sentar ao lado dele!!! É demais!!

      Excluir
  11. Olá! queria muito desabafar com alguém...também sou madrasta e adoro de verdade o pequenito, mas o meu caso é um pouco delicado e muitas vezes não sei como gerir as coisas. É que o meu enteado tem 7 meses e foi fruto de uma traição do meu marido. Soube de tudo desde o início,nós não estavamos bem na altura porque eu estava fazendo quimioterapia por causa de um linfoma, e ... aconteceu. Nós nos acertámos e eu sempre entendi que a criança não tinha culpa nenhuma de nada e que ao assumir o meu casamento aceitaria o bebé e o integraria na minha casa, na vida do nosso filho de 9 anos, na minha vida. Gosto muito do bebé...mas todas essas perguntas que vc menciona tambem me aterrorizam. Só quero ser feliz. Quero que sejamos todos felizes. Acha que é realmente possível? Obgda! Bjs. kc

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara, a situação é dicada, mas algo que ficou claro, o AMOR, foi maior que a dor da traição, sendo assim tenho certeza que mesmo em meio as dificuldades que sempre estão a nossa porta, enquanto o amor prevalecer tudo vai dar certo no final. Tenha fé e amor. Felicidades!!

      Excluir
    2. Cara, a situação é dicada, mas algo que ficou claro, o AMOR, foi maior que a dor da traição, sendo assim tenho certeza que mesmo em meio as dificuldades que sempre estão a nossa porta, enquanto o amor prevalecer tudo vai dar certo no final. Tenha fé e amor. Felicidades!!

      Excluir
  12. ser madastra nao é facil pois tanbem passo muito sufoco mais um dia elas aprendem a dar valor e nos compriender pois não é facil para elas e nem para nos talves elas so entenderão se forem madrastas um dia.

    ResponderExcluir
  13. Olá MADRASTAS. Fico muito feliz de ler alguns exemplos de vida de mulheres maduras que superaram o fato de ser MADRASTAS e se acostumaram com isso. Meu nome é Leticia e tenho 21 anos. Meu namorado Pedro tem 38. Vou ser bem breve para não cansar vocês. Meu namorado tem uma filha muito da chatinha, menina mimada, metida e grossa(12 anos). Meu namorado faz tudo por ela e nem um ''OBRIGADA PAI'' ela diz. Já faz 3 anos que namoro o pai dela e ela não me aceita de forma alguma, no começo do namoro tentei agradar mais agora meu namorado já sabe que eu acho ela um porre e não faço questão de agradar ela.O mais engraçado é que ela ñ teve convívio com ele pq quando ela nasceu a mãe já ñ vivia mais com ele. Hoje a menina faz uma cara de nojo toda vez que me ve, se liga e eu estou com o pai dela ela fica com raiva, é como se ela fosse uma mini ex-mulher dele sabe? Graças a Deus ñ tenho muito contato com ela, alias já faz MÊSES quase um ano que ñ a vejo mais só da shouw por telefone mesmo quando liga pra pedir dinheiro (só pra isso que ele serve pra ela). Enfim, não sei se isso tem melhoria futuramente ou se só piora também sou imatura e muitas vezes sou infantil reconheço. Mais é que nunca tive paciencia pra crianças ainda mais uma menina que quer disputar o amor do pai comigo. Quando casar com ele já disse que ela vai se colocar no lugar dela do contrario ela não entra na minha casa. Pronto! Não sei como vocês tem estomago pra tamanha encheção de SACO. Amo meu namorado e vou amar MEUS FILHOS sendo assim não tenho obrigação nenhuma de gostar de criança chata e mimada. ñ sou obrigada a concordar com a forma que essa ninfeta foi criada. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. apoiada, cada um deve ser tratado como mereçe, estão fantasiando demais as "crianças rebeldes,", Eles tem pai e mãe, e madrasta ou padrastro é apenas uma situaçao, e não uma solução, se são mal educados devem ser corrigidos com rigor e não se deve deixar dominar por palhaçinhos de circo, que gostam de dar seus schow quando bem entende, quando mais ignorar, mas se colocam nos seus lugares, amor se dá a quem realmente tratar com respeito, chega dessa humanidade ficar a mêrce de uma geração de piralhos que não entendem de nada, e querem dominar seus pais, pior , pais burro deixando ser levados por eles

      Excluir
    2. Entendo perfeitamente,,, Admiro os ''seres evoluídos'' que conseguem desenvolver amor, carinho e afeto pelos seus respectivos enteados... O que NÃO é meu caso.

      No meu caso, bem... A menina é super mimada ( tem 3 anos), a única da família, não respeita o pai (MUITO MENOS EU), não tem educação, e PARA PIORAR, meu marido - pai, não tem a menor noção do que é educar, e acha que tudo que ela faz - inclusive de ERRADO, é uma ''gracinha''.

      Minha sogra ( com o perdão da palavra, é uma senhora muito da sem-vergonha, mal educada, mal criada, encrenqueira), que A-D-O-R-A ver o circo pegar fogo... Nunca foi com a minha cara, e nunca escondeu a preferência pela ex mulher dele. Se mete onde não é chamada, cria intriga, fala mal de mim pelas costas, mima a menina e se faz de sonsa...

      A ex, não trabalha, não estuda, não faz nada da vida, e desfruta de uma pensão bem ''gorda''.. É UMA FOLGADA, mas enfim... Até eu seria se tivesse um ex marido mongo, e uma sogra alcoviteira...

      Sinceramente não me vejo dando conselhos à ninguém sobre amar, cuidar, e blá blá blá sobre filhos dos outros. Não gosto da minha sogra, nem da minha enteada. Respeito gera respeito, educação gera educação. E isso infelizmente no meu convívio com ambas, não existe... Não por opção minha, mas por circunstâncias que geraram muitos desconfortos e distanciamento.

      O relacionamento de enteada + sogra + nova mulher, só existe quando há decência de ambas as partes. Se a ex mulher compreende seu lugar, se ACEITA esse lugar, se EDUCA o filho (a) e ensina para ele valores como RESPEITO.
      SE A SOGRA COMPREENDE que a vida do filho mudou, suas escolhas mudaram, e que HOJE ele está construindo algo novo com alguém que não tem nada a ver com as frustrações e problemas do passado dele.

      Excluir
  14. Adorei o que li, e confesso que estou naquela fase de "recolha de informação".

    Não estou a passar nenhuma fase dramática mas ainda assim quero saber como se procede na maior parte das situações!

    Aliás, confesso até que estou numa posição priveligiada...a criança em questão é mesmo um anjo! Pelo menos em comparação a estas histórias.

    Enfim...a minha forma de lidar com a situação é justamente a mesma que a sua (Paula Li). Creio que será das mais viáveis.

    Boa sorte a toda(o)s vós!

    O amor e a coragem vencem sempre todos os obstáculos!


    Até já*

    D.E.

    ResponderExcluir
  15. VOU CASAR DAQUI A 3 MESES E ME VEIO MEDO AGORA.
    ELE TEM UMA FILHA DE 3 ANOS.
    EU AMO ELE, MAS É RUIM AS VEZES FICAR EM SEGUNDO PLANO.É DIFICIL.
    SERÁ QUE EU VOU CONSEGUIR PASSAR POR ISSO?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É duro no início. É preciso paciência... muita. Muita força e felicidades

      Excluir
    2. Olh aé complicado demais, tenho um enteado de 2 anos e meio, apegadíssimo ao pai, e a mãe me odeia!
      Se eu pudesse voltar atrás não entraria nessa VIU!

      O meu noiva é apegado ao filho e quer pegá lo tooodo final de semana! :( A criança normalmente quer chamar a atenção dele todo tempo!

      Se prepare para ficar em 2º plano Sempre!

      Excluir
    3. Só uma palavra para você amiga...

      CORAGEM.
      Pense, reflita, e avalie, pois INFELZIMENTE será 2º plano.

      Assim como o caso acima, sou OBRIGADA a abrir mão de cinema, jantares, barzinhos, festas, programinhas caseiros, viagens... se eu pudesse voltar no tempo, sério... sério MESMO... EU PULAVA FORA!!!!!!!!!

      Homem com filho é um saco... e ex mulher é para vida inteira...

      Excluir
  16. Olá! Revi-me totalmente no seu post! Sou madrasta há dois anos e às vezes é bem complicado gerir as situações. É dificil sobretudo quando a criança é manipulada pela mãe. A minha enteada é 'despejada' lá em casa quando a mãe não tem outra hipótese ou tem algum interesse nisso e quando já não lhe interessa nem ao fim de semana a deixar ir. O pai, em nome da relação limpinha que pretende com a mãe, deixa andar...
    Depois, outra questão que não percebo (fruto da falta de experiência) é se a criança é mimada e rabugenta pela situação dos pais ou se os pais tivessem casado ou morado juntos seria diferente! (Os pais nunca foram casados e a criança nasceu para segurar uma relação - palavras da própria mãe) Sinto-me muitas vezes mal com isto!

    ResponderExcluir
  17. Vivo exatamente isso hoje, minha enteada tem 3 anos e meio. E eu estou com dificuldades para segurar a barra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Será que quando esses anteados crescerem vai mudar? vai melhorar ou piorar: tenho esperanas de que meu noivo desapegue um pouco do filho de 2 anos e meio! o menino mimado e rabugentinho também...e ele o pega todo final de semana! e ainda acha pouco....

      Excluir
    2. Lamento, mas as coisas não melhoram. O meu enteado vai agora fazer 6 anos e estou com o pai há 4. Com a idade aumentam as necessidades da criança, que o pai quer satisfazer a todo o custo. Passa a ser a piscina, o futebol, as festinhas com os amigos, os jogos vídeo... É mesmo assim; ou se respira fundo, ou mais vale dar meia volta.

      Excluir
  18. Olá!!Meninas ser madrasta é realmente muito dificil.
    Sou casada há 7 anos e quando casei meu marido ja cuidava da minha enteada, quando ha conheci ela tinha 1 ano 6 meses era linda e me apaixonei, a mãe havia abandonado quando ela tinha 6 meses desde aí nunca apareceu, ate saber que meu marido havia casado.No meu caso ja nos conhecíamos e ela pirou quando soube a era eu a esposa do seu ex.Começou a aparecer para ver a menina de 15 em 15 dias, e conforme estava sua vida sumiae só aparecia tres ou quatro meses depois.Neste período morava no pátio de sogra que nunca aceitou que eu criasse a menina e por diversas vezes pediu a guarda da menina pra ela, mas nunca foi minha intenção separar pai e filha então nunca aceitei me desfazer da menina.
    Criamos ela ate os 5 anos, quando dicuti com minha sogra por ela se intrometer quando eu tentava educar a criança, então ela correu chamou a mãe da menina e juntas nos processaram por maus trato.Resultado perdemos a menina, foi entregue pra mãe e com ela ficou por 2 anos, passando fome, sendo deixada sozinha em casa, sem escola e passando as noites nos bares em companhia da mãe que estava novamente gravida.Meu marido sofreu muito, pois a mãe dele era nossa maior inimiga e ainda tinhamos que morar no pátio dela, sofri muito também, vivi como bandida sem poder por a cara na rua, pra não ser ofendida pela minha sogra, neste período meu marido estava em depressão e sem forças para fazer qualquer coisa.Ate que minha sogra se arrependeu por ver minha enteada sofrer tanto, que falou que apoiaria meu marido caso ele quisesse recuperar a filha, então acionamos a justiça e ganhamos a guarda da menina, porem quem voltou pra nossa casa, não era mais aquela menina linda e sim uma criança rebelde, sofrida e sem carinho cheia de problemas.Hoje não moramos mais no pátio de minha sogra, mas ela vive enfiada em minha casa e eu tenho que fingir que nada aconteceu, e trata-la bem, a menina esta com 10 anos faz xixi nas calças todo dia, ja fizemos exames e esta tudo bem, lavamos no psicologo por um período, mas meu marido acha perda de tempo, pois ela não muda, dái brigamos o tempo toda, a menina tem problema na escola, mente sobre tudo, responde pra mim.To enlouquecendo!!Meu marido diz pra não me importar com ela, mas ele também não cuida das coisa dela, tem dias que ela não uma roupa pra vestir pois esta tudo mixadado e escondido no quarto, daí ele diz que vai chamar a mãe dele pra cuidar as coisas dela.Pode isso?? Amigas o que devo fazer??Ja tenho 33 anos e ainda não tenho filhos e ja nem sei se quero pois toda experiência de maternidade que tive foi um inferno.Me ajudem por favor...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi! Caso bem complicado! Acho que não deve deixar as consultas no psicólogo! O meu caso nem sequer se compara mas como a questão fundamental também é o estado psicológico deixo o meu testemunho para você. A minha enteada também era bem complicadinha... Quando dormia/dorme (porque isto é um processo ainda em trabalho)lá em casa é certo que vai ser uma noite difícil. Ela vem chorando num pranto só para o nosso quarto dizendo que tem tonturas, dor na barriga, dor em todo o lado... farta de tudo isto porque eu pego às 7 da manhã para trabalhar, resolvi (eu e o pai) leva-la no médico! Não tem nada! Um dia ela me perguntou se eu tinha ciúmes de qunado ela ia gritando para o nosso quarto, o pai ir dormir com ela... eu respondi que não! Passado uns minutos ela nos contou que inventou tudo, as dores de barriga, as tonturas... só para chamar a atenção. Em casa da mãe ela dorme com a mãe e o namorado mas quando vai na nossa não pode ser... tem quarto para ela e o pai vai adormece-la. Estamos levando ao psicólogo e agora já está bem melhor, ainda que volta e meia lá apareça a chorar. É mais complicado com o pai vem tarde e só estou eu e ela porque a mãe não quer que ela durma comigo e já se sabe como são as crianças... bem linguarudas :), logo convém não arriscar.
      Quando me fica comigo sozinha minha enteada me bombardeia que a mãe isto ou aquilo... (faço de conta que não escuto).
      Sei que é dificil (mas não tanto quanto você) mas o amor mais tarde ou mais cedo irá curar as feridas dela. MAS não se esqueça de olhar por você e se lembre que acima de tudo ter um filho é maravilhoso... uma criança que ninguém pode tirar de você.
      Espero ter ajudado ou pelo menos atenuado o seu problema... Muita coragem para você

      Excluir
    2. Engraçado... De cada post identifico alguma coisa com a minha história atual. A minha enteada (16 anos), ao inverso da sua, é uma benção quando o pai não está em casa, mas quando ele está, é birrenta e mal criada!
      Sou linha-dura, mas, tentei exercitar o amor por ela! Cometi um grave erro, fui seguir o conselho dele, de querer educá-la como se fosse mãe dela, e agora ele acha que tenho que ter atitudes de mãe ou melhor da ex dele!
      Não esquecendo que essa só aparece para dar presentes, e fazer visitas de 20 minutos. Não tive lua-de-mel, não tenho mais líbido, porque, além dela, tem mais um enteado (14 anos) portador de deficiência física e mental, que berra constantemente, e que está acabando com a minha estabilidade emocional!
      Além de tudo isso, tem o fato de que, tive que enterrar meus sonhos de ser Juíza, porque como meu marido trabalha à noite, não me sobra tempo pra estudar regularmente, porque fico cuidando deles!
      E é isso, estou somente aguardando o fim da nossa história!

      Excluir
  19. Boa tarde! Entrei aqui e pude ver as experiências de cada uma e quero aproveita para pedir conselho a vcs.
    Estou namorando com um homem que tem um filho de 08 anos, onde o mesmo vem para casa do pai de 15 em 15. A princípio eu não tenho o que reclamar dele, é um menino agradavél e até o momento nunca ficou disputando o pai dele comigo.
    No 1 meses, ele sempre saia com agente e pedi para levar algo para mãe, até que um dia falei para meu namorado que ele precisa entender que a mãe dele n fazia mais parte da vida dele e graças a Deus, meu namorado sempre me ouvi e tenta corrigir quando as coisas estão erradas.
    A ex está namorando tb o que ajuda e tb n tenho o que falar dela que por sua vez até ligou para ele me elogiando em saber que ele estava com uma boa mulher. Porém, no meu caso, quando meu namorado pega o menino no dia que n seja dele, não consigo conter minha irá e até fico mais imatura do que a própria criança de apenas 08 anos.
    Não sei definir de fato se quando a ex liga para pedir para ficar com o menino pq algo aconteceu seria de boa ou para provocar, mas só sei que quando isso acontece, eu não consigo controlar minha raiva e até mesmo ciúme, pois, quando sei que n é o final de semana dele, eu tb tenho minhas rotina com o pai dele que acaba ficando de lado.
    Não sei como agir e quero melhorar isso tb, afinal estou amando o pai dele que tb faz tudo por mim.
    Me ajudem!!!


    Obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha é muito complicado, mas acho que deveria falar com carinho para o seu namorado, que vc gostaria de fazer um programa com ele, somente om ele.
      para que ele possa te entender, passo um pouco por isso também. Mas com o tempo acho que ele acaba entendendo e é muito dificil falar de "filhos", mas também tenta entender o lado dele, espero ter ajudado bjs.

      Excluir
    2. Se relacionar com um homem que já tem filhos é isso aí mesmo. Nem a criança irá visitar o pai nos dias que estão no acordo. Você precisa ter muita paciência e maturidade se pretende passar o resto da vida ao lado desse homem. Lógico que me coloco no seu lugar, pois você também tem o direito de ter os seus momentos a sós com o seu companheiro. Já passei por isso mas não com filhos, meu ex sempre convidava os pais e os primos para sair com a gente, deixado de lado nossos programas de namorado. Acabei me sentindo da mesma maneira que você, simplesmente não aguentei e chutei o balde.

      Excluir
    3. Bem eu até que te entendo. Mas vamos lá..
      Quando você o conheceu ela ja tinha um filho certo.?
      Então eu acho que até msm para a relação entre vocês dar certo, você tem que aceitar os fatos. Ele tem um filho, que para sempre sera a prioridade na vida dele. Não que você não seja mais vamos nos colocar no nosso lugar.
      Você tem que entender que ele é uma e você uma mulher. Não estou tirando a sua razão nem a culpando. Só que é um fato, e se você não aprender a lidar com certas coisas agora.. Imagina só se um dia vocês casam e ele vem morar com vocês.?
      Te digo por experiencia própria que tudo muda, e fica cada vez pior.
      Mais você tem que conversar com ele e fazer com que ele entenda o seu lado tbm. Sem disputar com a criança.
      PORQUE SE ELE FOR PAI DE VERDADE.. VOCÊ PERDE.

      Excluir
    4. Estou casada a 9 meses , e passo exatamente pelo mesmo problema que você.
      Fico irada quando perco meu único dia livre com meu marido por causa de uma criança chata, malcriada e rabugenta . TENTO falar com ele , e não consigo expor meus sentimentos e mostrar que não temos tempos juntos pela correria do dia a dia , e que não é justo que quando a mãe da criança quer curtir avise de ultima hora e despeje a menina em minha casa, ele se recusa a me ouvir . Amo meu marido mas as brigas por esse mesmo motivo me entristece e me pego perguntando até quando vou aceitar essa situação, as vezes tenho vontade jogar meu casamento no lixo , não sei como agir . Estou cansada dessa situação , antes eu achava que casar com homem que tem filhos é moleza. Hoje em dia não ousaria me relacionar com um , se soubesse que seria dessa maneira não teria casado nunca.

      Excluir
    5. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  20. Meu nome é Carina e fiquei muito assustada com tudo que li aqui, e sei tb que essa é a realidade de muitas mulheres. Sinto como se fossemos castigadas pois estamos nos envolvendo com uma pessoa que já foi casada. Meu namorado esta separado a seis meses e tem uma filha de 4 anos, a menina e ate engraçadinha mas muito manipulada pela mãe. Toda final de semana que ele pega ela vem com uma historia um um xingamento novo para mim, na ultima semana ela chegou falando : A CARINA É UMA QUENGA...

    Nossa aquilo doeu dentro de mim, uma garota que não sabe nada da vida falar isso com a maior naturalidade, mas entendo que é a mãe dela querendo me atingir. O problema é que com essas coisas eu estou criando um aversão a menina, não quero ficar perto, tento evita-la.... não sei como lidar :(

    ResponderExcluir
  21. Gente tenhu um namorado de 22 anos e o filho dele tem 5,só que a mae foi quem o abandonou com o pai logo quando nasceu,e sempre foi o meu namorado que cuido do jonatan e minha sogra que tambem sempre o ajudou com algumas coisas até porque eles moram na casa dela,quando eu conheci meu namorado ele logo me contou que havia um filho que era ele quem cuidava e etc,Perguntei logo da mae ai foi que ele me contou a historia toda e resolvemos nos conhecermos melhor,só que ele me havia falado ki se o filho dele nao gostase de mim que o namoro nao iria adiante e esse seria uns dos motivos ki ele nao havia namorado serio com ninguem porque sempre ki ele iria apresentar o menino ele nao gostava das"pretendentes"...Quando o conheci foi muito bom brincamos e ao passar do tempo ele foi me xamando de mae só que ele nunca foi criado com carinhos mimos conversas sempre foi criado com o amr de pai somente pq minha sogra ela faz conta só dela e de quem ela ker,desde ki começamos a namorar era eu ki comprava e dizia oq o menino precisava e foi eu ki comecei a dar carinhu atençao e criamos um laço bem forte de mae e filho e semana passada ele falou "MAMAE EU KERIA TER SAIDO DA SUA BARRIGA"ai eu explikei pra ele ki ele nao saiu da minha barriga mais ki mamae "eu" amava ele muito ki ele nasceu do meu coraçao,e ele durmiu fazendo carinhu na minha barriga, e quando acordou fikou o dia todo manhoso comigo xeirava meu peito e quando xegou de tardezinha ele começou a falar ki nao tinha mamado quando era bebe e quando deu a hora dele ir embora com o papai dele"meu namorado" ele fico xorando ki keria fik com mamae e começou a perguntar sobre mama até ki ele pediu pra mamar em mim e o papai dele pediu pra que eu desse pra ele nao fik sentido e quando eu dei ele realmente mamo "mesmo sem leite " durmiu e foi embora dormindo e o pai dele disse que quando pego ele no colo ele fiko procurando o peito igual nenem.
    O que vcs axam devo dar o peito pelo menos quando for mimi ou quando for um momento de mamae e filho?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, não deve e ponto final!!! Isso é uma aberração.

      Excluir
  22. que loucuraaaa isso!!!

    ResponderExcluir
  23. Olá meninas!

    Hoje é uma enteada que vem dividir com vocês a minha história, que não foi nada fácil. Minha madrasta foi o pivô da separação dos meus pais. Minha mãe faleceu quando eu tinha 8 anos. Ela era uma ótima pessoa mas como não aceitava o fato de ter perdido o meu pai para outra mulher, ela acabou passando, sem querer, toda a frustração dela para mim. Cresci com ela me falando absurdos da minha madrasta, como toda criança apegada à mãe, comecei à odiar a minha madrasta. Só que quando eu ia passar o fim de semana com meu pai, a esposa dele me tratava bem e eu também a tratava, embora tivesse aquele ódio guardado dentro de mim. Não era falsidade. Eu realmente tratava ela bem pq me sentia a vontade com ela. Nunca xinguei nem desrespeitei ela. Quando minha mãe faleceu, fui morar com eles. No começo minha vida ao lado da minha madrasta era super legal, ela me dava carinho, eu considerava ela minha segunda mãe. Porém, esqueci de mencionar, que meu pai teve uma filha com essa mulher, eu ia completar 5 anos quando ela nasceu. Eu sempre me dei bem com a minha irmã, amo ela demais. A minha madrasta do nada começou a vestir uma nova camisa, a partir daí, ela enlouqueceu completamente... Disputava a atenção do meu pai comigo, não nos deixava ter momentos a dois pois ela achava que estavámos excluíndo a filha dela e também pq no fundo ela sempre sentiu ciúmes de mim e da minha irmã mais velha. Meu pai não soube se posicionar, acho que na verdade ele nunca tentou... Minha madrasta me trancou num quarto que eu só podia sair na hora de comer e fazer as necessidades. Eles saíam os 3 para jantar fora, para ir ao parque, etc... E me deixavam sozinha em casa. As piores roupas eram compradas pra mim. Os meus brinquedos ela quebrava ou dava pra filha dela que nunca mais me devolvia. A minha dor maior é que ela rasgou um papel de presente que eu guardava de recordação dos últimos presentes que minha mãe me deu. Um dia acordei com ela tentando me asfixiar com um travesseiro, ela só não me matou pq dei um chute na barriga dela. Meu pai nunca acreditou em mim, sempre deixou claro que eu era apenas filha e que a esposa dele vinha em primeiro lugar e que querendo ou não eu tinha que aceitar. Muitas de vocês vão achar um máximo o meu pai ter colocado a esposa louca e desiquilibrada em primeiro lugar. Desafio vocês a se colocarem no lugar dos enteados! Sei que ser madrasta não deve ser uma tarefa fácil, mas não é bicho de sete cabeças. Tenho um rolo com um carinha que tem um filho e se a nossa relação ficar séria, pretendo não cometer os mesmos erros da minha madrasta. Não vou tentar ser a mãe dele, mas vou tentar ser uma amiga que ele possa contar sempre que precise da minha ajuda. Não gostar da criança, sentir ciúmes, tudo bem, eu até tento entender... Mas partir pra agressão, daí já é doença. Dou um conselho pra vocês: Se não querem conviver com a criança, abram espaço pro pai ter momentos a sós com o filho, como por exemplo, irem ao parque, ao cinema... Você não precisa participar. Quando o pai estiver com o filho, aproveite a folga para fazer as suas unhas, cuidar do seu corpo, fazer aquele happy hour com as amigas! Afinal, não é pq você tem namorado ou marido que vai deixar de lado as amigas. Se não aceita o enteado (a) na sua casa, pelo menos deixe o pai sair pra visitá-lo. Meu pai mora na praia, minha madrasta não nos aceita lá, mas infelizmente o meu pai não vem nos visitar ( Moro com a minha irmã mais velha desde os 10 anos. ) Ele nunca nos liga, nem sequer se importa se estamos vivas ou mortas. Como ele mesmo disse: "Sou um homem casado e minha esposa vem em primeiro lugar, vocês querendo ou não. Ela é minha esposa, minha companheira, vocês são apenas filhas!" Todo mundo tem o direito de ser feliz ao lado de outra pessoa e de amá-la. Mas o amor de pai e filho é um amor eterno que não acaba. Lamento muito não ter tido um pai presente na minha vida, ter sido mau tratada por uma mulher que não é minha mãe e que me deseja as piores coisas. :'(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esqueci de contar que minha madrasta sujava as minhas roupas com graxa de sapato e entortava o cesto da minha bicicleta.

      Excluir
    2. Ola anonimo. Li o seu depoimento e me identifiquei muito com você. Tbm tive uma madrasta que me maltratava e tentou me matar. O meu pai acreditava em tudo o que ela dizia. Mas a grande diferença e o que me conforta mais.. É que ele sempre me colocou e ao meu irmão em primeiro lugar em tudo. Nós sempre fomos a prioridade da vida dele.
      Mais saber que ele não acreditava com mim e até brigava cmg varias vezes por causa dela.. Me afastou e muito dele. Deixei de ir na casa dele e até de falar com ele.
      Quando o meu pai faleceu, eu tinha 10 anos e a minha relação com ela ainda não era das melhores.
      Hoje eu sou madrasta, e estou lutando para fazer o melhor possível. Mas te confesso que ser madrasta não é tarefa fácil. Ainda mais quando se é tão jovem como eu.
      Mas vejo tudo o que eu sofri com a minha madrasta e não quero fazer a minha enteada passar nem pela metade. Eu gosto mt dela e quero a aceitação dela tbm.
      Ja que você tem o pai vivo.. Não esquenta que um dia ele sentira a falta de vocês. Se ele não foi pai/e não é... Quem esta perdendo é ele.
      Siga a sua vida e deixa que Deus ira mostra-lo o quanto ele esta errando.

      Excluir
    3. Olá anônimo! Obrigada pelas suas palvras! Com certeza, não deve ser fácil assumir o papel da madrasta, embora tenhamos tido uma um dia. Penso exatamente como você: Não vou cometer os mesmos erros! Não me tornei uma madrasta mas sei que não estou livre de me apaixonar por alguém que já tenha filhos. É complicado lidar com crianças mal educadas e que são manipuladas pela mãe/pai. Desejo muita sorte, que você e sua enteada possam construír juntas um laço muito forte de amizade! Cada uma tem o seu papel na vida do seu marido, basta cada uma se colocar no seu devido lugar! Abraços.

      Excluir
    4. Olá querida! Li teu texto e me identifiquei também. Sinto muito pelo que você passou com sua madrasta e espero que não carregues trauma disso para sua vida.
      Eu tenho 25 anos e meu pai mesmo quando casado nunca foi presentem em minha vida, logo que se separou com minha mãe se casou com uma mulher que aos poucos foi se transformando em uma bruaca. Hoje eu entendo todos os lados pois agora eu estou na situação dela. Claro que não se compara pois meu pai nunca nos deu o mínimo de atenção.
      Ser madrasta implica carregar o passado do cônjuge, e as vezes é muito difícil compreender isso de forma natural. Hoje eu tenho que aturar as loucuras de uma ex magoada, minha enteada envenenada pelo seu ódio, e o pai dela mimando de todas as formas para se livrar da culpa.
      Além disso, uma boa parte da renda mensal dele é destinada a criança, eu acabo tendo que arcar com uma porcentagem maior nas despesas de casa, fazendo com que minha vontade de ter filhos seja NULA.
      Sem contar que jamais, nunca, em hipótese alguma posso fazer programas de casal durante os finais de semana que ela está conosco, que são alternados e desde a sexta-feira a noite até domingo a noite. Acredito que isso afasta o casal e compromete a vida a dois sim. Eu adoro ir ao cinema sábado a tarde, ir a shows, teatros, jantar com amigos, e eu fico refém do compromisso dele com a filha. Não sou mãe, não tenho noção do que é esse "amor maior", mas me pego pensando várias vezes se é isso que quero pra minha vida, não quero ter filhos pois minha experiência com crianças é traumática, e vivo comparando a minha criação e ausência do meu pai com a que o meu marido tem com a sua filha. Mas enfim, ele não tem culpa, a filha não tem culpa, a ex mulher não tem culpa. Cabe a mim aceitar e conviver com isso, mas não sei se tenho preparo para lidar com isso e apesar de todo amor que sinto pelo meu marido, não sei se vale a pena comprometer uma fase da minha vida por conta de outras pessoas.

      Excluir
  24. oi meninas.
    fiquei emocionada com o depoimento acima, que me ajudou a repensaralgumas coisas. tenho um enteado de 9 anos que é um fofo e sempre nos demos muito bem. o problema é que ele é criado coma avó materna que o mima muito e por isso ele se tornou uma criançamuito rebelde, xegando até mesmo a bater na avó. por causa disso, a mãe, (que mora na casa vizinha) está exigindo que meu marido traga-o para morar conosco por que ninguem o aguenta mais. eu reluto por que sei isso é uma roubada, uma vez que o menino não respeita ninguem, chama palavrão, não quer estudar e, acreditem se quiser, ainda toma mamadeira e faz xixi na roupa. estou grávida de minha primeira filhota e quero que ele participe da vida da irmanzinha,mas não quero ficar com a responsabilidade de um menino mimado e mau criado. aceito que o meu marido participe de sua vida, pois ele o mantém financeiramente e emocionalmente mas nao quero cuidar dele, até porque quando casei já sabia de sua existencia, mas ele nunca morou com meu marido e sinto que ela quer provocar um pouco com essa exigencia.preciso de ajuda nao aguento mais abrir mao das minhas coisas por ele e isso está arruinando meu casamento porque meu marido acha que ele é uma criancinha inocente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico muito feliz que meu depoimento tenha te ajudado a repensar melhor! Me coloco no teu lugar, a responsabilidade de cuidar de um filho que não é seu, não é nada fácil. Ainda mais que o menina apresenta um comportamento extramente agressivo. Te aconselho a conversar com o seu marido sobre levar o filho em um psicólogo, tenho que certeza de que uma luz no fim do túnel. Também sugiro que você peça ao pai que converse com mãe e avó, pois a maneira que ele está educado precisa ser corrigida. Quanto ao seu papel como madrasta, você tem um ponto a seu favor que é o fato de você e o seu enteado se darem super bem. Isso é muito bacana e importante! Quando o menino estiver em sua casa, convide-o para acariciar a sua barriga, conversem com a menininha, diga a ele que por ser o irmão mais velho ele deve amar e proteger a sua irmã. Seja carinhosa com ele, diga o quão importante ele é para o pai e para você. Quanto mais o menino se sentir excluído, mais o comportamento dele irá muda pq não adianta o tratamento psicológico se em casa ele não recebe o apoio que precisa para mudar as suas atitudes. Se ele te xingar, não revida nem o agrida. Chame ele num canto e diga que você está muito magoada pois gosta muito dele. Ensine que palavrões são ditos por crianças de rua, que ele é um menino lindo de família. Se ele insistir com as ofensas, converse com o pai dele pois somente ele pode tomar uma atitude mais radical. Mostre-se amiga do seu enteado, fale que ele sempre poderá contar com você quando precise. Tente fazer programas a dois com ele, pode apostar que ele vai adorar e vai se sentir querido e especial por você. Também fale pra ele que o papai e ele serão os super heróis da irmãzinha e que por isso devem se amar e se respeitar pois precisam dar o exemplo a ela. Se você realmente quer salvar o seu casamento, faça a sua parte. O filho dele é inocente sim, pq nessa idade todas as crianças são inocentes. O que elas precisam é de amor, proteção e principalmente EDUCAÇÃO. Espero ter ajudado. Boa sorte e muita saúde pra sua filhota que está a caminho! Abraços, Cássia.

      Excluir
    2. Corrigindo alguns erros no texto:

      Quanto menos o menino se sentir, excluído... *
      Ainda mais que o menino*

      Peço desculpas pelos erros, acontece que algumas palavras que digitei não saíram, sei lá pq! :/

      Excluir
  25. boa tarde a todas!!Estou passando por um problema complicado e não acho respostas, queria que alguem me ajudasse, ou me fizesse enxergar de outra forma.
    Conheci meu marido no serviço, o casamente dele esta indo de mal a pior, acabamos nos envolvendo, ele se separou. E acabou deixando 2 filhas. Não acreditava dar muito certo... mas acabamos nos casando e com muito esforço tivemos minha "princesa", nesse 6 anos de convivência, as "filhas" do primeiro casamento mal falava como pai.. me odiava, não visitava, e so ligava para pedir dinheiro ou alguma coisa. Meu marido sempre se sentiu culpado... e dava tudo que queria..na verdade ele sempre sustentou a casa , e vivia financeiramente bem. Quando começamos a nos relacionar e começar uma nova vida, tivemos que começar do zero, ele fez até a reversão da vasectomia para eu poder engravidar...
    Hoje tenho uma princesa de 8 meses, e ele para as meninas não ficar com ciumes, acho que forçou um pouco a barra....( dizendo que ela era a irmã querida delas, etc... e etc)
    o que aconteceu a paz que eu tinha... não tinha mais...
    as meninas vão direto lá para casa e estão em todas as comemorações dele e da minha filha... nunca tive brigas com elas, sempre fiquei de boas com elas... mas agora estou ficando louca, brigando com meu marido por ciumes, etc.. Aconteceram muitas coisas, engravidei a primeira vez e perdi, as "filas " do meu marido sempre deixou claro que não aceitava,e quando engravidei da 2 vez... disseram que queriam um menino... que não queria que viesse menina... por ciumes... fiquei puta da vida... mas tudo bemmm. Agora esta no maior chamego com minha filha e com meu marido, antigamente nem ligava para o pai,.. e não consigo me conformar ( pois não queria que eu engravidasse, e nem que fosse uma menina, choraram e espernearam...) agora fica querendo ver minha filha todo dia se possivel, e o que me deixa mais chateada e que elas se desfazem de mim, como se minha filha tivesse nascido do pai dela, e quando tiram foto dela, sempre me coloca do lado, e meu marido não consegue dizer nada.. pois ele tem maior chamego pela "filha" dele mais velha, ME AJUDEM ... O QUE FAÇO....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando você se envolveu com o seu marido, sabia da existência de suas filhas. Elas tem todo o direito de conviverem com o pai delas, você querendo ou não. Assim como sua filha tem o mesmo direito. Elas sentem ciúmes de você e você também sente delas. Acho uma infantilidade uma mulher querer competir com os filhos do marido pq cada um tem o seu lugar na vida dele. Casamentos acabam, filhos são para o resto da vida. É um elo que nunca se rompe. Se você não gosta de suas enteadas e não quer que elas frequentem a sua casa, tudo bem. Mas deixe o pai delas conviver com elas, você não tem o direito de impedir que ele veja as filhas e muito menos de amá-las. Pense se fosse sua filha no lugar delas! É natural os filhos pedirem dinheiro para os pais e quando são separados, é natural que eles vivam pedindo para o pai quando ele está casado e tem mais filhos pq eles acreditam que o pai dá mais coisas para a nova família do que para eles. É uma relação mega dificil mas que pode se descomplicar se cada um fizer a sua parte. Se você não conseguir mudar por si mesma, terá de buscar uma ajuda pscicológica! Ou procurar um homem que não tenha filhos.

      Excluir
    2. olá só pude ler agora, agradeço... pelas palavras, nunca tive problemas com elas ( eu gosto mt delas até), o que acho complicado e elas não aceitarem a minha presença como mulher do pai dela, e a minha filha ( elas sempre achavam que nasceu do "c.." do pai dela, e acho isso injusto, como eu estou ciente quando casei de ele ter as meninas , elas também tem que estar ciente que " eu que sou a esposa dele", e a minha filha e também do meu sangue... só para complementar.

      Excluir
    3. Voce ja tentou se aproximar das meninas? Sugiro q convide suas enteadas para um programa em q o pai nao participe. Leve a sua filha junto, converse com elas e deixe claro q voce nao veio p roubar o lugar de ninguem, q sente carinho p elas e gostaria q todas fossem amigas. Enfatize q sua pequena tambem eh sangue delas e q p isso, o pai ama as tres igualmente. E q p serem irmas, elas tambem devem se amar e ser unidas. Quanto ao q voce eh p elas, diga q nao quwr tomar o lugar da mae delas, mas deseja se tornar uma amiga mais velha delas, q pode dar conselhos, sair p passear com elas e ajudar quando precisem de voce. Nao fale mal da mae delas mesmo q voce nao concorde com algumas atitudes da ex, pois lembre-se de q mae eh mae e essa figura merece respeito. Incentive o seu companheiro a swe presente na vida de todas as filhas, nao se enfureca se ele quiser presentear so pq ele ja paga a pensao eh apenas uma necessidade. Ate elas crescerem e adquirir independencia, necessitam do sustento dos pais.

      Excluir
  26. Gurias, é tão engraçado como as histórias se repetem. Meu nome é P. tenho 25 anos, casada. Hoje olho para trás e sei que estou casada por amor. Nossa história de amor iniciou juntando os cacos, eu tive uma filha na adolescência fiquei pouco tempo com o pai dela por diversos fatores tinha com 18 estava separada e com um bebê. Meu esposo tbm passou por uma barra, foi pai jovem com 20 anos e foi deixado com sua filhinha de 02 anos pela ex-esposa. Ele voltou para a casa dos pais dele com sua bebê e eu também. Eu nunca abri mão de criar minha filha, apesar de ser jovem, ele apavorado e com uma mâe ( a dele) dominadora deixou todos os cuidados da criança com sua mãe, foi o pior erro de sua vida. Quando nos conhecemos, minha filha tinha 02 e a dele 05 e quando conheci a sogra já vi a situação instaurada, ela dominava os dois, não deixava meu marido opinar sobre a educação da filha mas ele tinha que estar de corpo presente sempre.O relacionamento do meu marido com minha filha foi tomando proporções maiores. Ele é uma pessoa encantadora e se tornou um excelente pai, para minha filha, pq eu dei espaço vi suas qualidades e além de tudo os dois já tinham uma empatia natural. Minha relação já não foi tão feliz desde o início, com minha enteada, sofri muito. Sempre que ficava com ela aos finais de semana tinha uma reclamação da minha sogra para o meu marido, reclamações absurdas " Você não deu o que ela pediu no shopping" " Vocês não podem chamar a atenção dela, sou que que educo" " Tu deu mais atenção para tua mulher e enteada do que para ela" " Tu não pode beijar e abraçar tua mulher na frente dela". Eu sempre quis desde o início ter uma família, mas as reclamações foram me cansando e recaia sobre o meu relacionamento com meu esposo, nós sempre tínhamos uma briga, até hoje se não nos policiarmos brigamos pelas intrigas causadas pela sogra. Pedi muito, muito a Deus para cada vez gostar mais da minha entiada, que por ironia do destino, hoje tem 11 anos e é uma criança amável( achei que a adolescência seria a gota dágua para nossa separação) ao contrário, como sou nova, ela se identifica mt comigo e eu tbm dou atenção sempre quando estou com ela, jogamos no tablet, converssamos sobre a escola, e sobre as dores dela com a mãe. Tento me focar na minha família, a única pessoa que está entre eu e ela é a sogra que insiste em tentar desestabilizar, ela ainda mora com a sogra, estamos aguardando a entrega do nosso AP no próximo ano, vou montar o quarto para as duas, mesmo a avó não deixando, se for a vontade dela ela vai morar conosco se não for morar sempre vai ter o lugar dela na nossa família....
    Gurias, já passei, nesses seis anos por vários momentos: Raiva, tristeza, ódio, negação... Não dela, da situação( demorei para enxergar) é muito difícl reconstruir outra família, por isso, que eu e meu esposo fizemos dois anos de terapia de casal para enter a dinâmica e estou sempre pensando nessa assunto, há pouco tempo comecei a relaxar na presença dela, para mim era um pânico, tinha que me policiar sempre, as atitudes, o que dizer... Hoje em dia, tento focar em nós quatro e vou tirar a sogra para louca sem dar importância ao o que ela diz, pois nosso carinho meu e da enteada é recíproco e sei que estou no caminho certo. Não existe uma receita para criar filhos, muito menos conviver com enteados mas tentem enxergar como parte da sua família, se tem ciúmes do seu esposo, conversse com ele peça atenção, as crianças já vieram de outro relacionamento desestabilizado mostre que no seu relacionamento entrontrará estabiliadade e tranquilidade. Bjs

    ResponderExcluir
  27. olá meninas. postei acima (18 de dezembro) algumas das dificuldades que tenho tido com minha experiencia como madrasta. sei que temos tendencia a sermos um pouco egoístas e por isso pedi para o meu marido convidar meu enteado para passar uns dias conosco. Resultado: quase enlouqueci! primeiro que, como já citei, ele é extremamente mimado e mal educado. mastiga fazendo barulho, tira meleca do nariz e põe no lençol da cama, não sabe usar faca e exige que alguém corte sua comida no prato(lembrem-se, ele tem 9 anos). me chateou muito uma discussão que tive com meu marido sobre me recusar a fazer mamadeira para ele e ele não poder dormir na cama conosco; apesar de muito relutar ele aceitou mas todas as manhãs eu acordei com ele pulando na cama. o que mais me chateou não foi o fato de ele tomar banho e TODAS AS VEZES jogar a toalha no chão do quarto, nem o fato de meu marido trabalhar das 7 da manhã às 8 da noite quando ele estava aqui e eu não poder ir a lugar algum e quando tentei leva-lo á uma loja, ele derrubou tudo o que estava no balcão,ou eu ter que lavar toda a roupa urinada dele, mas sim o fato de uma noite ele ter dito ao meu marido que quando ele viesse aqui minha filha(que nem nasceu ainda, coitada)não poderia sair com o pai na moto, apenas ele. nossa, pensei que fosse enfartar. Sem contar que minha morfológica foi marcada para o dia que ele ainda estava aqui e meu marido não foi comigo porque ele se recusou a nos acompanhar e não podia ficar em casa sozinho. me ajudem meninas, digam por favor se esses comportamentos são normais em uma criança de nove anos, pois estou perdida. abraços a todas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você já conversou com o seu marido sobre levar o menino ao psicologo? O comportamento que esse menino apresenta, já está fora do controle! E você está prestes a ter a sua primeira filha, precisa de paz para poder cria-la com tranquilidade. Seu companheiro precisa entender que você não é a mãe do filho dele, você é apenas a esposa e o seu papel não é assumir a responsabilidade de uma criança mal educada, pelo simples fato de ter escolhido viver com ele. Já havia lido o primeiro depoimento e fiquei chocada com tudo o que li... Te desejo muita força para enfrentar essa horrível barra! Sua filha merece nascer em ambiente onde a convivência seja saudável.

      Excluir
  28. Oi minha gente, meu nome é G. tenho 30 anos. Moro com meu companheiro faz dois anos, ele tem dois filhos, um de 5 e uma de 3. Começamos a namorar quando o casamento dele com a mãe das crinças estava em crise. Eles se separarm e nós passamos a morar juntos. Na época a mãe, proibiu que ele visse as crianças, então ele entrou na justiça para poder pegar as crianças e dar a pensão alimentícia. Processo vencido, as crianças passaram a vir para nossa casa de 15 em 15. Eu e as crianças nos damos super bem, apesar de a mãe deles encher suas cabecinhas de bobagens, mas eles não ligam e se sentem bem comigo. A questão é que meu marido trabalha aos sábados, então nesse dia eu já fico sozinha com as crianças, o que me dá muito insegurança, pois morro de medo que algo aconteça com as crianças sob minha responsabilidade e para piorar a mãe deles agora inventou que vai trabalhar aos finais de semana e feriado, isso á princípio quer dizer que eu terei que ficar com as crianças todos os finais de semana e feriado, estou muito angustiada pois não quero ter todos os meus finais de semana dedicado as crinças. Eles não são meus filhos. Eu tenho meus compromisso, minhas coisas para fazer. Já conversei com meu marido, mas ele diz que eu sou a única pessoa com quem ele pode contar. Eu entendo, mas tb quero ter meu espaço respeitado. Escrever já é um grande desabafo!!! um abraço em todos e todas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Situação bastante complexa! Você tão jovem, sem filhos, tendo que assumir uma responsabilidade que não é sua... Por mais que você goste das crianças, é desgastante ter que cuidar sozinha delas, enquanto os verdadeiros responsáveis estão trabalhando. Elas não tem avós ou tios que possam cuidar delas, na ausência dos pais? Você não tem filhos, tem o direito de aproveitar a sua vida, sair com suas amigas, ir ao salão de beleza... Converse de novo com o seu esposo e tentem chegar a uma solução que não prejudique vocês nem as meninas! Espero ter ajudado! Abraços

      Excluir
    2. Amada, infelizmente tbm sou madrasta de dois meninos, um de 9 e outro de 8. São crianças tranquilas (não fazem nada, só jogam vídeo-game). Infelizmente, pq se eu soubesse da furada não teria me metido, por amor ao meu namorado, esse relacionamento ainda prevalece (não sei por quanto tempo). No começo da nossa relação, quando fui morar junto com meu namorado,as crianças moravam com ele. Eu fui ingênua em querer cuidar das crianças como se fossem meus filhos, tomar responsabilidades que não eram minhas, enquanto os progenitores seguiam suas vidas. Então decidi viver a minha vida e assumir somente minhas responsabilidades. Depois de seis meses com meu namorado, a mãe das crianças levou as crianças para morarem com ela (graças a Deus, senão eu não iria aguentar). Hj deixo claro para meu namorado que eu não vou assumir o papel de mãe, não sou responsável pelos filhos dele, e que não sou obrigada a amá-los (mas não os odeio, claro). Eles me respeitam, eu os respeito, cada um no seu lugar. Flor, vc tem 30 anos de idade (é uma mulher), você não é obrigada a ficar cuidando do que não é seu. Se o seu marido está trabalhando (que ele pague uma babá) e se o salário dele não der para isso, que a mãe fique com o filho enquanto ele trabalha (e se ela não quiser) que ele se vire. Isso mesmo! Vc não está vivendo sua vida, sua vida é seu marido? E quando esse casamento não der mais certo (a probabilidade é grande), vc vai afundar. Se vc ama seu marido, ame-se primeiro, vá procurar um emprego, estudar, pq vc já tem 30 anos. Ficar cuidando dos filhos dos outros? Convenhamos... vá viver sua vida. Trabalhe, estude, se profissionalize, tenha estabilidade financeira (tá passando da hora) e cuide do que é seu. Seja feliz!

      Lana

      Excluir
  29. Olá, lendo as dicas e os conselhos acima, resolvi postar aqui a situação que vivo, talvez alguém me der uma luz...tudo que aconteceu aqui na narração foi em janeiro, mas continua acontecendo hoje, em situações diferentes..vamos lá:
    Há mais ou menos 1 ano, conheci uma pessoa maravilhosa, que combinamos em praticamente tudo, exceto na educação dos filhos dele.
    Decidimos morar juntos, e começaram a surgir os problemas.
    Com 5 meses que moravamos juntos meus filhos decidiram ir morar com o pai, fiquem em choque arrasada, mas no fundo compreendi..compreender é bem diferente de aceitar.
    Voltando ao marido pelo menos 1 vez por mes temos tido brigas horriveis e tudo por causa dos filhos dele.
    Hoje mais uma vez, fizemos uma pequena viagem, e tivemos que voltar porque nem ele está mais aguentando as crianças, e deu uma desculpa qualquer pra vir embora...não tem lógica você pegar uma estrada perigosa, dirigir 5horas e meia e ficar 1 dia no local.
    Mas, foi isso que aconteceu...chegamos as 22 hs de sexta e saimos as 11 de hoje, depois que acordamos, nem a praia fomos.
    Na volta pra casa as crianças fizeram tanta bagunça no carro, que eu tive que dar um grito, aí eu acabei como a errada da situação.
    Ok, não sou eu quem dirijo, mas imagine alguém dirigindo, e uma gritaria de briga, risadagens, roncos, paras o tempo inteiro..é de deixar qualquer ser doido...mas ele está acostumado, e fica o tempo todo ameaçando que vai parar o carro e bater em fulano, e isso nunca acontece, as crianças sabem que ele não fará isso, e continua a gritaria e bagunça lá atrás.
    Confesso, não tenho paciência, meus filhos viajam comigo desde 2 anos, e de ônibus pra tudo quanto é canto, e nunca tive nenhum problema, agora os dele não tem limites.
    A menina tem 7 e o menino 11 anos, e o menino tem aspie, que é uma vertente do autismo,com hiperatividade.
    O pai trata o menino como algo que pode quebrar a qualquer momento, e o garoto em troca xinga o pai de tudo quanto é nome, bate no pai, olha faz misérias só vendo mesmo pra ter noção do que acontece aqui...aí o pai diz que tudo é pelo problema dele, mas a menina vendo o menino fazer isso tudo, faz a mesma coisa...por isso, não acredito que seja pelo problema, e sim pelo instinto...ele fica como uma criança normal com todas as pessoas, mas quando o pai chega ou está perto o garoto muda completamente...tem tudo que quer, o que eu já acho um erro terrível...
    O pai disse que tá evitando dar tudo que o garoto pede, mas não é o que eu tenho visto...por exemplo, sexta -feira, cheguei em casa e ele tinha acabado de almoçar miojo(ok, miojo não mata a fome), como tinha que fazer arroz, peguei ele e a menina e fomos comer num local aqui perto que a refeição é bem em conta, chegou lá ele falou que queria comer, coloquei o prato dele, e ele deixou metade da comida, depois tomou um picolé, mais ou menos 1 hora depois, marido chegou, colocamos a coisa no carro e saimos, no inicio da viajem o menino "estava com fome", paramos num posto, onde compramos, batata frita e salgado, ele nao satisfeito, quis uma lasanha, eu fiquei tão chateada quando vi que ele pediu a lasanha que voltei pro carro, daqui a pouco vem o menino, reclamando do pai...conclusão: não comeu o salgado, comeu metade da batata e 2 pedaços da lasanha. Ok, chega meu marido reclamando do menino e tal...acabou que ficou com raiva e esqueceu o refrigerante, agua e batata. (Em tempo, no carro comeu um docinho de nozes, e algumas colheres do mousse da minha filha)...seguimos viagem, e ele reclamou umas 2 vezes de fome, acabou comendo biscoito..chegamos na casa, fui comprar um lanche, optei por X-tudo que ficou mais da metade na geladeira.

    ResponderExcluir
  30. É ou não é olho grande, gula, vontade de irritar as pessoas e por aí vai...e a cada negativa do pai, esse ganhava um xingamento....
    A mãe..ela não faz muita questão do filho, tenho percebido que a mesma tem usado as crianças como dama de companhia da filha do padrasto..ela chegou a pedir ao pai que deixasse a menina com ela...mas como!!!???? Ela só tem filha??????????????? Logo depois que fez esse pedido ao pai, sem pestanejar foi logo falando em pensão...ou seja, quer fazer das crianças moeda de troca.
    Em tempo, eles tem guarda compartilhada.
    Olha eu não sei o que fazer, gosto muito do meu marido, mas a situação fica muito dificil quando as crianças estão juntos, ele dá atenção integral a elas e eu fico sozinha, se eu não tivesse levado a minha filha, ontem estaria só o dia inteiro na praia...pode parecer ciúmes, mas não é, quando estamos nós 2, parece que fomos feitos um para o outro, gostamos das mesmas coisas, temos os mesmos interesses, mas quando as crianças estão, tudo muda completamente, discordo totalmente da forma dele educar, acredito que uma palmada na hora certa educa.
    Pra vocês terem idéia não saimos com conhecidos quando as crianças estão, por medo da vergonha que elas nos farão passar.
    Sei que é horrivel falar isso, mas é assim a nossa vida.
    Saí da minha casa, abri mão dos meus filhos pensando que conseguiria ser feliz com alguém que me completa, mas estou sendo muito infeliz e com dúvidas em qual decisão tomar...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, Jack Lins!Estou CHOCADA com a situação que você está passando... Mas fiquei mais chocada com o fato de você ter ABERTO mão dos seus filhos para viver com o seu companheiro. Você já entrou nessa história cometendo um erro gravíssimo! Mas não sou Deus para julgá-la. Vou te dar um conselho que acho que a grande maioria de nós mulheres, deveríamos seguir: NÃO SE ENVOLVER COM HOMENS QUE JÁ SÃO PAIS... Gente, dificilmente uma relação dessas, dá certo... Antigamente, eu até dava força, apesar de ter uma madrasta que me maltratou na infância, eu achava que se eu entrasse numa relação onde existem filhos, agiria de maneira completamente diferente, resumindo, eu achava que seria um mar de rosas, mas não é! Claro que eu jamais maltrataria, até porque já tive uma experiência horrível e não repetiria com ninguém... Já faz algum tempo que venho acompanhando os depoimentos das madrastas aqui no blog e eu quase me tornei uma. O ciúmes é um sentimento inevitável, não escolhemos sentir e muitas vezes não sabemos como controlar! Ninguém merece ter que abrir mão da privacidade com o companheiro para dividi-lo sejá lá com quem for: enteados, sogros, amigos, primos... Nossa tendência é de sermos egoístas mesmo! É óbvio que quando decidimos dividir uma vida com alguém que já tem filhos, devemos ter em mente de que vamos ficar muitas vezes em segundo plano, porque os filhos vem em primeiro lugar e todas nós sabemos disso! Prtaicamente todos os finais de semana o pai vai optar por ficar com seu filho ou a cada 15 dias, dependendo do que foi decretado na justiça. Bonitas, não é de agora que mulheres do mundo inteiro enfrentam esse tipo de problema, algumas até tem sorte quando os enteados são bem educados e quando o pai sabe separar as coisas. Se eu estivesse no seu lugar, já teria desistido ou diria ao meu marido que não quero participar dos programas que ele faz com os filhos dele, pois você tem o direito de não gostar deles, de não querer conviver com crianças que não tem a minima educação! Se não adiantasse, chutaria o balde! Tem casos que nem terapia nem psicologos pra dar jeito nas crianças, adianta... Reflita se é realmente isso o que você quer para a sua vida! Abraços

      Excluir
    2. Peço desculpas por ter lhe acusado de ter aberto mão dos seus filhos! Só agora pude ler que a decisão de morar com o pai, foi deles... Mil desculpas! :/

      Excluir
    3. Que isso Anônimo, não tem por que se desculpar.
      Obrigada pelo conselho.

      Excluir
  31. A sensação que tenho é que a madrasta já entra no jogo sendo apedrejada. É esperado que ela seja complacente, bondosa e amorosa, mas dos enteados nada se espera? Pois bem. Sou separada e tenho dois filhos, um de 13 e um de 14 anos, muito bem educados,respeitosos e carinhosos, Graças À Deus; casei novamente tem dois anos e o relacionamento dos meus filhos com meu marido é maravilhoso. Então os filhos do meu marido vieram morar conosco e , infelizmente,não são educados, muito menos respeitosos e nem mesmo carinhosos. Vieram morar conosco porque o padrasto não os quer mais lá e a mãe os abandonou, preferiu o marido aos filhos. Então abri a porta da minha casa 9 meu marido veio morar comigo) para eles... e desde então a nossa vida é um campo de batalha, em que eles insistem em não obedecer às regras da casa, insistem em distribuir ofensas aos eus filhos e fazem dos nossos dias bastante angustiantes e estressantes. O pai tenta ser firme, impor os limites, ensinar o que realmente é o certo, faço a mesma coisa, sem jamais desautorizar o pai ou me intrometer nas decisões dele. Sou firme com eles como sou com meus filhos, dou atenção e carinho, como faço com os meus... mas nada nunca está bom para eles, desobedecem as regras... enfim. Estou tomando repulsa dos dois. Colocamos todos no programa de acompanhamento psicológico, estamos sendo acompanhados também, mas confesso que queria minha vida de antes de volta. É muito, muito difícil conviver com duas crianças que não foram bem educadas e perceber que não adianta mais tentar reparar porque estão grandes demais. Eu e meu marido estamos nos esforçando ao máximo, nos unimos mais até em prol desta causa.Me sinto meio que encurralada porque quero continuar ajudando porque meu marido é um homem sensacional pra mim e pros meus filhos, mas os filhos dele tornam insuportável a convivência.Eu desejo ter a tranquilidade da nossa vida de volta, mas tenho pena deles porque sei que somos o único porto seguro que eles tem. Só que eles mesmos não se dão conta disso e não dão nenhum valor À tudo que temos feito.Muito difícil. Só Deus pra me orientar e me ajudar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Voce parece viver em um beco sem saida... Mas deve haver alguma solução. Força!

      Excluir
  32. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  33. Olá pessoal. Tenho 17 anos e um enteada de 5.
    Estou com o pai dela a 1 ano, mais só passei a conviver com a minha enteada a cerca de 4 ou 5 meses para cá.
    Antes dela vir morar conosco, nossa relação era ótima. Só nos víamos aos fins de semana e nunca nos estranhávamos.
    Mais desde de que ela veio morar conosco ela mudou, (ou á conheci realmente). Sempre que dou ordens ou á corrijo ela me olha de cara feia e fica resmungando quanto pensa que não estou vendo.
    Mais isso não é só comigo. Com o pai ela também faz. Só que eu sou a "MADRASTA".
    Por varias vezes ela me disse que o pai dela deveria estar com a mãe e não comigo.
    Sei que é natural que ela sinta ciumes, quanto á isso eu já imaginava.
    Tento fazer o máximo possível para que eles se aproximem mais ela só se afasta ainda mais de mim.
    Ja pensei em não repreender mais a menina, mas eu tenho que impor as minhas regras e aquilo o que eu julgo ser o melhor para ela. Pois afinal, eu sou a nova esposa do pai dela e enquanto for essa a minha posição, eu mereço respeito e ela devera me obedece.

    POR FAVOR ME AJUDEM

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!

      Ser madrasta requer muita paciência. O conselho que lhe vou dar vem da minha experiência, daquilo que tenho aprendido ao longo destes três anos com base em erros e atitudes mais acertadas.
      Antes de mais deve ter sempre em mente que grande parte destas crianças são "usadas" pelas mães e nem sempre se importam se isso irá afetar o crecimento pessoal da criança ou não. Vai ter de ter calma mas vai ter de continuar a ensinar-lhe a sua educação porque senão nunca mais vai conseguir faze-lo. Vai haver momentos em que estão próximos, outros em que estão distantes e vai ter de aprender a lidar com isso. A sua situação acontece comigo, a minha enteada tem dez anos. Tento ensinar-lhe os valores com que vivemos em casa mas tenho sempre de lembrar que basta ir para a mãe para o trabalho ficar todo "estragado", portanto, quando regressa tenho de recomeçar tudo de novo. Penso que deve acontecer o mesmo com a sua enteada. Sei que há alturas em que ficamos completamente perdidas, vivo há três anos com isso mas é uma criança e o melhor que lhe podemos fazer e ama-la e educa-la porque muitas vezes as mãe, supostamente as boazinhas da estória, esquecem-se e têm de ser as madrastas, as bruxas más, a ensinar coisas simples como usar faca e garfo, a escovar o cabelo, a acochegar na cama mas também que não se deve falar alto ou amassar a fruta e deixar para o chão... Ser madrasta é muito difícil, requer paciência e nem sempre se tem a retribuição mas se fizer o bem o seu coração vai ficar puro e o sentimento pesado que traz a conotação de madrasta vai passando... Não desanime, tenha força, coragem e se lembre que poucas pessoas têm coragem e bom coração para conseguir ser pai ou mãe 'emprestados'... Muita força

      Excluir
    2. Concordo com o comentário acima. Você deve ter muita paciência e tentar levar ao máximo as divergências, na esportiva. Sua enteada sempre vai estar no meio do seu relacionamento, ela sempre será a prioridade n°1 na vida do seu marido, se ele realmente for um "Pai de verdade". Não sei deixe abater, você é jovem, se coloque na posição de adulta, não entre no joguinho da sua enteada, que por ser apenas uma criança, não tem noção das coisas. Também tem a questão da mãe, que pode manipular a menina contra você e o seu marido. Filhos serão sempre fiéis aos seus pais, mesmo que eles gostem da mnadrasta/padrasto, se a mãe pedir pra eles te responderem mal, eles o farão. Deixe a educação da menina por conta do pai, é ele o responsável por ela, você é apenas a companheira dele, que não tem obrigação nenhuma de tentar educar uma criança que não é sua.

      Excluir
    3. Discordo dessa abordagem pobre de que filho "sempre" é prioridade n° 1. Uma relação saudável não tem número, não gira em torno de uma pessoa só, não coloca alguém em um pedestal em detrimento de outros. UMA RELAÇÃO SAUDÁVEL GIRA EM TORNO DE TODOS. Filhos crescem e vão viver suas vidas. Não crie os filhos para vc, eduque-os para viver harmoniosamente em sociedade, desapegue um pouco desse protecionismo com crianças, não será saudável para as mesmas. Abraço! Lana

      Excluir
    4. Anônimo

      Concordo plenamente com o opinião sob os" filhos é prioridade nº1 da vida de alguem", este conceito errado traz infinitos conflitos e infelizes,é uma desculpa egoísta, já tem tantas histórias bonitos de amor entre pais,filhos,casais,irmaõs irmãs,cada um cumpre seu função diferentes,trata se somos todos vidas preciosos e valiosos,não é quem mais importante que outros,quando aconteceu relacionamentos,primeiro amou a mulher ou home,então gerou os filhos,a diferença é você pode trocar a mulher ou home,mas a lei natureza não existe trocar de filhos também, gostando ou não,querendo ou não, vai tem que responsabilizar por eles, afinal de conta,quem vai ficar e cuidando o resto da sua vida quando você está doente,está só,está triste...é amor de marido e esposa, seus filhos pode se tornar um milionário ou presidente, mas não tem tempo para os pais, valoriza o tempo que estar juntos tanto com filhos,marido ou esposa,pais,que pessoas te ama de verdade sem condicional,e retribua este amor,seja justo com todos.
      meu opinião passeado da minha experiencias de mágoa e dor que muitas passou como parte desta blog

      Excluir
  34. e nao estou tendo tanta sorte assim afinal de contas o eu entiado de 14 anos faz tudo q eu nao suporto e eu estou quase separando do meu marido por isso, amo ele mas nao tenho forças para isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talvez seja melhor que vocês se separem mesmo. A tendência é só piorar! Tente ser feliz com alguém que não tenha filhos, aí não tem erro! Abraços

      Excluir
  35. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  36. Estou casada vai fazer três anos e tenho uma enteada de oito, quando conheci o pai dela ela tinha cinco aninhos e era uma criança muito estranha. Eu tenho uma filha hoje com dez anos que convive com a minha enteada muito bem elas parecem irmãs. Acho que o meu maior problema é que eu acabei me envolvendo afetivamente com a minha enteada e como sou mãe de uma menina também tratava as duas da mesma forma com se elas fossem minhas filhas, e hoje sofro muito, pois a mãe dela faz a cabeça dela contra mim e ficou insuportável nossa convivência. Ela é uma criança sem limites, educação, responsabilidade, não se alimenta bem, não olha nos olhos, chora pra tudo, meu Deus, é muito difícil e eu hoje me arrependo de ter me envolvido tanto na criação dela, pois qdo a mãe descobriu que eu estava com o pai dela, começou a travar mais ela e ela regrediu muito. Ela tem atitudes estranhas. TEnho muita pena dela, pois é uma criança abatida, triste, sem brilho no olhar, parece muito infeliz..Com isso tudo eu acabei me afastando dela,pois ela começou a me desprezar e falar mto da mãe coisa que ela não fazia, pois a mãe nunca ligou pra ela e quando descobriu que eu estava fazendo tudo por ela, começou a ficar em cima. Eu tirei a mamadeira, ensinei a ler e escrever, ensinei ela a olhar nos olhos e falar a verdade, tudo que fiz pela minha filha biológica eu fiz por ela tb. Não sei qual o melhor caminho, tratá-la como se fosse minha ou manter uma certa diferença.

    ResponderExcluir
  37. Bom dia!!!

    Voce é guerreira.
    To passando por um momento que nao sei como lidar.
    Sempre soube que meu marido tinha uma filha, porem a mae da filha dele nunca deixou ele ver a menina, sempre que tentavamos era uma guerra, fomos no poder judiciaro mas mesmo assim a guerra continuava, pagamos a pensao certinho ai ela nao reclamava. Mas infelizmente meu marido nao podia ver a filha crescer.
    E hoje como uma bomba ficamos sabendo que a mae da menina faleceu e que a familia da mae ficou com a menina, não nos avisou e disse pra todos que o pai a abandonou sem mae.
    Ele esta arrasado e eu ???
    Eu planejei ter uma familia, orem ela ja veio meio q pronta.
    Eu engravidei e perdi meu bebe, foi um baque, to me preparando pra tentar novamente uma gravidez e agora nao sei o que faço, pois a menina terá que vir morar conosco, mas fico a imaginar como ficará a cabecinha dela, ficar com duas pessoas estranhas dentro de casa? E eu como vou agir ? Será que vou conseguir ser uma pouco mae pra ela?
    Nossa ... to tao apreensiva, que nao sei o que fazer.

    VOce é guerreira me ajuda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só lhe posso desejar sorte. Tenha força; na vida nem sempre as coisas são fáceis, mas me parece que você tem tudo o que necessita para conseguir ultrapassar os problemas.

      Excluir
  38. Olá Madrastas!

    Já postei meu depoimento anteriormente relatando a minha triste experiência com minha madrasta na infância. Hoje, aos 21 anos, mulher adulta e bem resolvida, por vezes estive prestes de me tornar madrasta... Mas graças a Deus não cheguei a exercer tal cargo! Porque, sinceramente, apesar de ter tido uma madrasta cruel, iniciar uma história onde há um passado que jamais ficará apagado, imagino que não deva ser fácil encarar os conflitos futuros. Eu jamais maltrataria os enteados, porque acho desumano, é triste, você ultrapassa todos os limites. Mas enfim, o que me dá medo são as birras, a disputa por atenção, as chantagens da ex, a falta de educação dos enteados, etc. Tudo isso me assusta! Então prefiro ficar com alguém sem filhos, que apesar disso, também traz um pacote completo: sogros, cunhados, primos, amigos... Se a gente já se incomoda com estes, imagina com enteados e ex mulher! Complicado demais, mas existem exeções, madrastas que são recebidas de braços abertos, que ganham amor em dobro, enteados que ganham uma grande amiga e até mesmo uma segunda mãe, por quê não, né?! Deixo um conselho pras bonitas que estão sofrendo com os conflitos: Pensem, reflitam melhor as atitudes, tentem entrar num acordo com o esposo ou se não conseguem segurar mais a barra, partam pra outra, antes que você jogue a sua vida no lixo! Mas por favor, não partam para a agressão, não desejo pra ninguém o que passei nas mãos daquela mulher desiquilibrada...
    Abraços a todas!

    ResponderExcluir
  39. Eu casei, 20 anos, segundo casamento, tufo certinho, meu marido tem 3 filhos um de cada mãe, odeio a mais nova ..muito chata..nao Seii até quando vou suportar., beijo li

    ResponderExcluir
  40. oi eu tenho uma entiada de 6 anos ela é um doce sempre me tratou bem, mais o pai dela meu noivo foi morar na frança a trabalho acho q sou a unica pra cuidar dela pois ela mora com a avó pq a mãe deixou ela por que tem mais 2 filhos e mora com outro homem, me sinto triste ao saber que ela vai crescer sem a mãe e possivelmente sem o pai pois ele esta longe e não sabe quando volta. Tento fazer com que ela tenha um bom crescimento com amor e tendo dar isso a ela sempre.

    ResponderExcluir
  41. Olá, estou passando exatamente por essa situação com meu enteado. O pai acha que por estar com ele só fds, tem coisas que ele não vai conseguir ensinar e é mais recreador do que educador. Tem horas que penso que não vou aguentar. Como vc mesma disse, não existe manual pra ser madrasta. Como vc conseguiu chegar bem aos seis anos??? Preciso de um apoio, tô quase esmorecendo, mas amo meu noivo! Obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Natália, vc precisa ver se vale a pena continuar com isso. Leia meu depoimento (17 de junho de 2013). No meu caso, enquanto eu namorava meu marido, as coisas iam bem, dentro do perfeitamente tolerável, após o casamento é que a coisa azedou. Certas coisas que passei prefiro não contar por que me causaram tanto desgosto que precisei de ajuda profissional (psicólogo) e espiritual.
      Abraço

      Boa sorte

      Excluir
  42. Passei por muitas situações delicadas com a enteada. A adolescência dela foi o pior. Tentei fazer o melhor por ela: gastos financeiros, orientações, afirmação da sua beleza física (numa fase de insegurânça quanto a isso), apoio com o 1º namorado. Em troca recebi: ironia, grosseria e ofensas quanto a aspectos físicos meus e um ciúme violento, que a fazia tirar o pai dela de perto de mim na rua e restaurantes (na época ela já tinha 14 anos!). Não me arrependo do que fiz por ela. Foi de coração. Porém, hoje a trato apenas com educação.

    ResponderExcluir
  43. Olá estou casada a 1 ano e meu marido tem um filho adotado de 6 anos com a ex q não podia engravidar,além de aturar a ex e o moleque q é mimado,mal educado(eles são tolerantes pq ele é adotado e negro por isso dar limites vai deixa-lo mais traumatizado segundo os pais)tem a minha sogra q fica todos os dias cobrando do meu marido q ele veja o coitadinho do menino,meu marido pira pq ele trabalha muito e pega o menino de 15 em 15 dias mas p eles é pouco,moramos em outra cidade e além de trabalhar ir busca-lo e depois leva-lo da muito custo de pedágio e tal,ele já ficou comigo mas tudo q acontece na minha casa ele conta p a mãe,não me obedece e já falei q comigo ele não fica mais,não sei lidar com criança sem educação e pior é vê-lo se comportar como uma criança de 2 anos falando errado e fazendo chantagem pq ele diz q não gosta mais do papai pq ele não fica com ele...sem educação adequada a situação a longo prazo vai piorar tenho vontade de ir embora...é muita pressão.

    ResponderExcluir
  44. Olá.. eu estou enfrentando essa situação complicadíssima, a anos, hoje meu enteado tem 9 anos, e eu e hoje meu marido, estamos juntos a 6/7 anos sendo 3 anos de casados, temos um filho de 2 anos, e passo por problemas graves no casamento devido ao meu relacionamento com o filho dele. No começo do namoro era exatamente assim que ele se comportava, não podia falar nada, não podia nem olhar, que já repreendida só com o olhar. E vejo que com o passar dos anos, as coisas estão piorando, quando namorávamos, eu tinha que me sujeitar a situações que eu não gostava, pra poder estar um pouco ao seu lado, já que ele não morava na cidade e só nos víamos aos fins de semana, como o filho também, na época com 3/4 anos de idade. Hoje não consigo me relacionar com ele e nem conviver bem, eu não me sinto bem, não me sinto um monstro por não gostar dele, mas ninguém é obrigado a gostar de outra pessoa. Mas vejo que meu casamento vai pro buraco, meu marido pede que eu me importe com os sentimentos dele, mas e os meus? O filho dele "acha" que pode agir como adulto dentro de casa, dando ordens e regrando MEU FILHO, por mais que seja irmão, ele não tem essa autoridade! Estou em conflito de qual decisão tomar, nos amamos muito, mas talvez passe a ser insustentável esse casamento...

    ResponderExcluir
  45. POR FAVOR ME AJUDEM... Dia 22/07 farei 1 ano que conheci meu namorado, nos envolvemos muito rapido, há 5 meses ele mora comigo na casa dos meus pais, ja estamos comprando nossas coisas aos poucos. Quando conheci eu sabia que ele era casado e tinha uma filha de 9 anos, o casamento dele nao deu certo e hj a ex dele tem outra familia, mas a filha dele morava cm a mãe. Todos mês ela passava o final de semana cm ele, ele paga a pensao tudo direitinho.. mas quando a mae dela soube que ele estava namorando comecou a desandar as coisas entre a filha dele e eu e nós dois comecamos a brigar constantemente. O que ela fez, essa semana a filha dele apareceu na casa da minha sogra sem antes ligar p ele, apenas falou que o padrasto dela estava com todas as malas dela p ele pegar no carro do rapaz. Enfim, a mae nao quer mais a menina e praticamente expulsou da casa dela p vim morar com o pai. Agora como fica a situacao? Pq antes nós dois tìnhamos um plano.. eu sabia que ele tinha filha, mas que morava cm a mae, estou perdida, falei p ele que vou ajudar da melhor maneira possivel, mas que infelizmente nao posso ampara ela na casa dos meus pais.. como disse, ou ele aluga um lugar p nós três morarmos juntos ou vamos viver nossa namoro de antes como namoro de adolescente.. ele na casa da mae dele e eu na minha. Pq ja conversei cm meus pais a respeito e eles nao concordaram em trazer a menina p morar cm a gente. Pensei e estou pensando se tudo isso vale a pena. Sei que ninguem é perfwito e que eu poderia muito bem antes twr evitado tudo isso, ja que eu sabia q ele tinha uma filha. Sou professora na ed.infantil e sei como é dificil p uma crianca quando os pais se separam. Nao to aqui p dizer que ele deve me escolher ou a filha dele. Jamais farei isso, so que eu nao estou conseguindo lidar com essa situacao. Por a menina morar com a mae e nao ter dado nenhuma educacao p ela, ela a filha dele fala como se tivesse 15 anos, desbocada demais e nao acho justo ela falar de qualquer jeito cm o pai, e por ele achar que é culpado pela separacao (mas quem deixou foi a ex p ficar com esse novo marido dela, ja faz tres anos que eles estao separado).. ele acaba mimando demais e tudo que eu acho que é errado ele defende com unhas e dentes, ele diz pra mim ajudar ele a educar a menina, mas quando falo que isso é errado ele nao aceita. So sei que nao estamos mas nos entendendo em nada, ele diz que nao quer me perder. Diz que a filha dele vai morar com a mae dele e isso eu nao acho justo, pq a vagabundda mae dela ja a deixou e agora ele quer que a mae dele se responsabilize... sinceramente por mais que eu nao aceite ela morar cm a gente, mas nao quero que ela fique sobre responsabilidade da avó. To pensando demais em sair dessa situacao, mas estou tao emvolvida cm ele que ja chorei demais. Eu preferia que ela morasse com a mae e ele pagasse a pensao como antes. Sei que ela ta sofrendo por nao ter 100% o amor dos dois. Mas pelas atitudes dele com a filha me irrita, ela fala muitos absurdos de mim e isso fez eu criar antipatia por ela. Por favor me ajudem, qualquer opiniao está valendo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, que situação mais delicada! Ainda bem que por trabalhar com crianças, você vê as coisas com "outros olhos" Mas apesar disso, o seu emocional e sentimentos de mulher estão envolvidos nessa história. Minha opinião é seguinte: Você não tem porque aceitar uma criança sem educação e desbocada dentro da sua casa ou da casa dos seus pais. De que adianta o seu namorado exigir que você ajude a educar a menina, se ele que é o pai não o faz??? Filho é pra sempre, mas cresce e vai viver a sua vida. Os pais sempre acabam ficando pra trás, não é mesmo? Sinceramente, se eu estivesse no seu lugar, não aguentaria tamanhos desaforos e falta de respeito tanto da menina quanto do pai. Reavalie se você realmente quer dividir uma vida com esse cara, que por mais que goste de você de verdade, não sabe dar limites a sua filha. Pense que se um dia tiver um filho com ele e o casamento de vocês venha acabar, ele também irá querer jogar a responsabilidade da criança para a mãe dele caso você não queira mais morar com ela. PENSE MUITO BEM NISTO! Seja firme e esponha ao seu namorado a sua opinião e se as coisas não melhorarem, sinto muito, parta para outra!

      Abraços

      Excluir
  46. BOM DIA PAULA!
    ADOREI SUA MATÉRIA.
    TENHO DUAS ENTEADAS HUMMM AINDA SOBRA ALGUMAS CONTINHAS(ROUPAS DEPILAÇOES) PARA EU PAGAR
    O QUE VC ACHA?

    ResponderExcluir
  47. Me casei a 7 meses e mesmo sempre dizendo que este tipo de situação/relacionamento (era tranquilo) hoje percebo o quanto viver na pele o rotulo de ser madrasta é árduo, sofro pois tenho uma enteada de 16 anos que antes morava com o pai e a avó, antes de nos casarmos ela não queria morar com pai de jeito nenhum, acontece que pouco tempo antes do casamento ela se desentendeu com a avó e veio morar com hoje meu esposo, fiquei atemorizada diante da situação prestes a casar e sem saber o que dizer ou fazer, pois morar conosco era algo fora de questão e agora era um fato prestes a se consumar. Casamos e penso ainda não havia me dado conta do quanto seria difícil, até que começaram as diferenças de opiniões e vontades, ao mesmo tempo que eu queria muito ser a mãe dela, isso me parecia uma tarefa impossível e eu desistia, enxergava meu lugar e ficava quieta sem saber o que fazer ou falar, ela sempre arredia fugia de estar próxima de mim e do pai, parecia não me aceitar numa relação de partilha de amor entre 3. Hoje em meio a conflitos que ainda vivemos percebo que jamais poderei estar no lugar de mãe, desejo ser sua amiga(mas ela não permite), e isso tem me custado caro, se falo algo sou "do contra", implicante as vezes pareço perseguidora até mesmo aos meus olhos. Não é nada fácil ser rejeitada e as vezes (na maioria) incompreendida. Meu esposo a principio ficava contra mim, como se eu a perseguisse, mas com o tempo percebeu minha real intenção, hoje ele tenta me apoiar e isso causa desconforto a filha - super complicado - tenho fé que tudo irá se resolver, tenho muito amor e carinho por ela e sofro com a situação, mas entendo que para ela não deve ser nada fácil e isso me faz ser mais paciente. Confesso que por vezes tive vontade de desistir dela, não do casamento, mas de tentar ser sua amiga, pensei em fazer dela invisível aos meus olhos e coração para que assim eu não sofresse, mas me vem o seguinte pensamento..."Deus nos ama, mesmo que não o amemos, mesmo o rejeitando, sendo ele Deus", e isto me faz ter forças pra esperar com paciência dias melhores.
    Sei que o amor, tudo suporta, tudo crê, tudo espera...

    ResponderExcluir
  48. Me casei a 7 meses e mesmo sempre dizendo que este tipo de situação/relacionamento (era tranquilo) hoje percebo o quanto viver na pele o rotulo de ser madrasta é árduo, sofro pois tenho uma enteada de 16 anos que antes morava com o pai e a avó, antes de nos casarmos ela não queria morar com pai de jeito nenhum, acontece que pouco tempo antes do casamento ela se desentendeu com a avó e veio morar com hoje meu esposo, fiquei atemorizada diante da situação prestes a casar e sem saber o que dizer ou fazer, pois morar conosco era algo fora de questão e agora era um fato prestes a se consumar. Casamos e penso ainda não havia me dado conta do quanto seria difícil, até que começaram as diferenças de opiniões e vontades, ao mesmo tempo que eu queria muito ser a mãe dela, isso me parecia uma tarefa impossível e eu desistia, enxergava meu lugar e ficava quieta sem saber o que fazer ou falar, ela sempre arredia fugia de estar próxima de mim e do pai, parecia não me aceitar numa relação de partilha de amor entre 3. Hoje em meio a conflitos que ainda vivemos percebo que jamais poderei estar no lugar de mãe, desejo ser sua amiga(mas ela não permite), e isso tem me custado caro, se falo algo sou "do contra", implicante as vezes pareço perseguidora até mesmo aos meus olhos. Não é nada fácil ser rejeitada e as vezes (na maioria) incompreendida. Meu esposo a principio ficava contra mim, como se eu a perseguisse, mas com o tempo percebeu minha real intenção, hoje ele tenta me apoiar e isso causa desconforto a filha - super complicado - tenho fé que tudo irá se resolver, tenho muito amor e carinho por ela e sofro com a situação, mas entendo que para ela não deve ser nada fácil e isso me faz ser mais paciente. Confesso que por vezes tive vontade de desistir dela, não do casamento, mas de tentar ser sua amiga, pensei em fazer dela invisível aos meus olhos e coração para que assim eu não sofresse, mas me vem o seguinte pensamento..."Deus nos ama, mesmo que não o amemos, mesmo o rejeitando, sendo ele Deus", e isto me faz ter forças pra esperar com paciência dias melhores.
    Sei que o amor, tudo suporta, tudo crê, tudo espera...

    ResponderExcluir
  49. A informação mais Linda em toda sua história não está nos fatos propriamente, nem nas experiências difíceis e construtivas que você teve com sua enteada. A beleza está na sua vontade de aperfeiçoar, no desejo de melhorar ainda mais a relação, está na grandeza da atitude - você busca sabedoria para lidar melhor com a família, para construir uma vida mais humana e saudável junto ao marido e sua filha. Infelizmente é uma exceção. Se toda madrasta buscasse compreender mais, não teríamos tantas crianças infelizes. Gostaria de parabeniza-la pelo gesto nobre de tentar compreender e educar uma criança.
    Um Abraço

    ResponderExcluir
  50. anônimo dae 18/06/2013 08:45. já pensou se sua enteada fosse sua aluna na escola, omo você iria fazer?

    ResponderExcluir
  51. sinceramente lendo muitas coisas aqui, fiquei pasmo, sabe porque? pois a maioria de vocês aqui são insens[iveis e não se colocam nos lugares das crianças e a maior virtude de um ser humano adulto é se colocar no lugar das crianças, principalmente de crianças, afinal elas não têm culpa de nada.Elas só querem o carinho do pai ou da mãe, mas não querem que a madrasta seja sua mãe.
    o certo é a mnadrasta finjir ser amiga, e ajudar em muita coisa, mas também ter sua vida , mas pergunto, muitas de vocês aqui antes de serem madrastas, já tinham filhos, certo? quando vocês tiveram filhos com seus esposos anteriores, a relação também não mudou? ficarm um tempo sem libido etc e outras coisa,s ficaram sem agenda social, então pro filhos de vocês põem, mas pros filhos das pessoas que vocês dizem que ama não? afinal seus maridos vocês ao amma ou vocês querem ter a posse dele, querem mandar nele? engraçado adultas com grandes ciúmes e reclamando dos ciúmes dos pequenos.

    ResponderExcluir
  52. bom, sou casado há 8 anos, tenho filhos gêmeos de 2 anos, mas meu casamento ultimamente está indo muito ruim, pois minha esposa reclama de tudo etc, ainda fez meus pais não me aguentarem mais.

    antigamente não pensava sequer em olhar para outras mulheres, hoje jpa olho, mas não tenho nada, fico só na fantasia, mas quando penso que tenho que largar meus filhos, desisto da separação, pois infelizmente as leis desse país só protegem as mulheres, e se eu me separar dela, ela fica com meus filhos, depois ela arranja outro e não sei se o padrasto vai tratar bem eles, e caso eui arranje outra, também não sei se irão tratar bem meus filhos, pelo que li aqui parece que não agora eu trataraia bem os filhos de outra pessoa sim caso eu casasse com uma mulher que já tivesse filhos.

    ResponderExcluir
  53. Preciso muito dos seus conselhos ... Pois é, realmente não escolhemos com quem se envolver rsrsrs. Vou tentar ser o mai breve possivel na minha explicação para que vc entenda a minha história. Fui casada por 11 anos e tenho uma linda menina de 10 anos, estou separada a alguns meses (dovorciada legalmente). Pois bem, eu pensava que não iria mais me casar mas me apaixonei por um amigo de trabalho, onde esta separado a mais tempo que eu. Nós dois eramos amigos e confidentes eu sabia tudo a respeito dele e ele a meu respeito. Ee foi casado por 11 anos tb, a familia dele nunca aceito a ex ... ela é desequilibrada, grossa, arrogante e etc. Devido a esses e outros fatores, inclusive ele não ama la mais, não conseguiram a diante. Bem, só sei que nos apaixonamos ... e estamos juntoa a 7 meses, saimos juntos para uma viagem com as nossas filhas e a filha dele se apaixonou por mim pediu até q se sua manhã morresse, ela queria morar comigo. Só que até então, ela não sabia que estavamos namorando ... para simplificar, conheci os pais dele e os 9 irmãos e todos graças a Deus estão me apoiando, estamos apaixonados um pelo outro. Ai que entra a briga a EX dele descobriu a 2 semanas que ele esta namorando e proibio a menina de ficar com ele quando estiver comigo. A menina quis passar o ano novo conosco mas ela não deixou, a filha dele diz que gosta de mim mas a mãe dela não quer ela do meu lado. Outra coisa ela ta enrolando para dar o divório, e ele que banca a casa (aluguel), água, luz, telefone e compras a familia dele não admite mas ele falou que vai entrar com o processo legitioso ... atualemte ele mora com os pais. Estamos querendo noivar agora em Março e casar em Dezembro o que vc acha? Como devo agir? E com a filha?

    ResponderExcluir
  54. Sabe, para mim está sendo muito dificil, já estou a 3 anos com meu noivo (moro junto a dois) e eu não SUPORTO o fato dele ter um filho que não seja NOSSO!
    As vezes me arrependo de ter ficado com ele por isso mas o amo demais.
    Quando ele manda alguma mensagem para o filho por celular ou facebook ou tem algum gesto carinhoso com o menino eu me sinto TRAÍDA.
    Sei que não é certo mas é uma coisa que foge do meu controle... ele passou duas semanas em casa, nos primeiros dias eu até gostei, mas depois eu não estava mais suportando a presença dele pois queria ter relações com meu marido mas não dava, queria ficar sozinha com ele mas não dava... é horrivel, se eu pudesse voltar atras jamais teria ficado com ele!

    ResponderExcluir
  55. Estou vivendo com uma mulher há seis anos, neste seis anos venho tentando conquistar as suas duas filhas fruto de outro casamento, até que eu tenho feito progresso elas demonstram gostar de mim e da minha companhia, o problema é que a mais velha que tem 17 anos tem uma tendencia (como toda adolescente) de gostar do que não presta, descobrimos que ela fumava maconha, depois de muita conversa ela largou a droga, mas ainda assim ela gosta de gente que não presta maconheiro, lésbica, gay, vagabundos que passam o dia todo sem fazer nada, e quando eu ou a mãe dela falamos para ela procurar boas companhias ela surta e é nítido que para ela eu e a mãe dela somos dois idiotas e os amigos imuteis dela são deuses.
    Muitas vezes eu tento brincar com ela e ela soca os pés em mim... Mas agora eu cansei, não vou fazer mais nada que eu fazia por ela, não levo mais para passear, não dou roupas nem material de escola, não pago mais curso ou custeio qualquer despesa dela.
    Pode parecer ruindade minha, mas tudo tem um limite e eu penso que se em 6 anos não consegui conquista-la não será daqui pra frente que eu vou conseguir e outra vou dar oportunidade dela viver ao lado dos amigos que ela ama.
    Você que é madrasta ou padrasto não cometa um erro que eu cometi, se seu enteado ou enteada não quer ter uma boa relação com você, não se venda não faça tudo que ele quer apenas para ter um bom convívio, não o maltrate mas não o paparique, respeite o sentimentos dele

    ResponderExcluir
  56. Querem um concelho, não arrumem homem ou mulher com filhos, a pior coisa que você pode fazer com você mesmo, o seu parceiro ou parceira sempre achara que voce deve fazer papel de pai ou mãe das crianças, mas, se você fizer isto as crianças vão achar que você quer tomar o lugar do pai ou da mãe deles e se voce não fizer seu parceiro ou parceira vai achar que voce esta sendo egoista que não quer ajudar
    Saiam desta é roubada melhor só que com alguem que carrega estigmas de outro relacionamento

    ResponderExcluir
  57. Pra mim não tem jeito pois ele já tem cinco anos e eu não conceito o suportar nem no fim de semana ele m irrita só de me olhar.

    ResponderExcluir
  58. Gente, eu falei num comentário acima. Só quem é madrasta pra entender mesmo. Quem não sabe o que é, julga e você ainda passa por bruxa má. Eu carrego o passado do meu marido nas costas, ex mulher, filha, pensão, ele fazendo todas as vontades para diminuir a culpa. "a mas ela é só uma criança", "filho é amor incondicional". Eu sacrifico finais de semana e lazer meu pois ele tem que estar com a filha. Eu tenho que comprometer minha infimidade. Olha, toda essa experiência fez eu ter pavor de filhos, não quero nunca engravidar pois ja perco muita coisa sendo madrasta. Mas infelizmente, quando começamos eu tava apaixonada demais e achei que seria tranquilo. Hoje eu jamais me comprometeria com homem que tem filhos. É muito difícil. Eu fui criada sem essa superproteção de pai e mãe, esse apego excessivo, e nem por isso deixei de os amar. Um dia os filhos vão crescer, ter suas vidas e os pais vão ter perdido momentos especiais que nunca mais vão voltar. CONSELHO: Antes de entrarem nessa, pensem que será muito sacrifício e se vale a pena. Beijos e força a todas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. não tenho a menor vontade de ter filho também. Acho lindo quando é bebezinho e só. Quando começa a pirraça, odeio. Também não fui criada com super proteção de meus pais, eles se separaram eu tinha 2 anos. Minha mãe foi tão relapsa que fui estuprada por diversas vezes dentro de casa, mas isso tá arquivado aqui dentro... Como disse, em (30 de abril ) Já tentei de tudo pra amar o filho do meu marido, mas não consigo. Sou apaixonada pelo meu esposo, nos damos bem pra caramba, sonos jovens e gostamos das mesmas coisas. Preciso de ajuda.

      Excluir
  59. Meu Deus. Estou chocada com tudo o que estou a ler( tanto do lado das madrastas como das enteadas) estou dando em doida nao sei mais o que fazer socorro!!! Minha mae sempre foi uma madrasta exemplar eu tinha muitos ciumes dos meus meio irmaos achava que ela tratava eles bem de mais. Bem Conheci meu actual companheiro em 2010 em Africa(eu sou de la e ele é europeu) na altura ele tinha mulher e filho ela so o chateava, nao queria ir morar com ele, ele so servia para mandar dinheiro para ela. Ele estava infeliz a gente foi ficando junto por 2anos(ele cntinuava com ela, vinha para Europa de 3 em 3meses ver a mulher e a filha) ate que 2anos depois de iniciarmos ele decidiu que queria voltar para o país dele, que sentia falta da filha bla bla bla esta situação me deixou insegura e triste afinal estivemos juntos 2anos me conformei e arranjei alguem. Nao perdemos contacto iamos falando sempre via fotos dele e da familia em ferias que faziam e mesmo tendo alguem,morria de inveja e ciume!em junho de 2012 ele se separou!grande confusao na altura a menina tinha 5anos ex fugiu com a filha,tribunal,o cara perdeu metade do peso ficou 3meses sem ver a filha,policia no meio ate que no tribunal ficou decidido que de 15 em 15 dias ela passava o fim de semana com ele(vale salientar que nesse tempo a gente falava sempre, mesmo estando a 10000kms eu dava força... Quando ele se recompôs em 2013 começou a falar que me queria novamente, que voltou por causa da filha bla bla bla entretanto meu relacionamento acabou e aí decidi ver se ainda sentia alguma coisa por ele em Janeiro de 2013 fiz uma viagem para o país dele fiquei 1 mês a gente se deu super...voltei a sentir paixao por ele. Em Agosto de 2013 fui novamente ver ele e aí conheci a filha dele de 8anos. A gente se deu super com alguns ciumes da parte dela mas eu descontei! Aí ele me convidou para morar com ele ponderei bastante afinal ainda sentia mágoa ... Decidi aceitar e em Dezembro de qualquer 2013 larguei minha casa, minha familia, meu emprego,meu país , meu continente e parti para Europa e comecei meu relacionamento e meu pesadelo!!! De mulher independentemente e dona do nariz passei a esposa,madrasta, dona de casa num país estranho e sem ninguem por perto! A filha dele é um pesadelo chora por tudo e por nada, ate para ir a casa de banho precisa do pai. Critica minha comida("minha mae cozinha melhor"), nao respeita, se ele esta a falar comigo ela se mete pelo meio, quer dormir sempre com o pai(tem 9anos!!!) Quando ela esta la em casa( almoça conosco à terça e dorme na quarta e passa um fim de semana de 15 em 15) eu sou literalmente ignorada o que me irrita muito.nao sou de disputar atencao bla bla bla mas me sinto ignorada quando ela esta! Dou espaço para os 2 , mas ele é muito permissivo ela abusa dele faz birra a toda hora Põe minha paciencia no limite... o pai trabalha de mais, esta sempre cansado muitas vezes eu tenho que ficar com a garota e atura-la. Me sinto infeliz ,sinto que estou servindo de baba da garota(depois de separado esteve 1ano e meio cuidando da filha nao sei como fazia) porque agora tenho de ser eu a fazer tudo. A menina me cansa muito e eu ate gosto dela mas esta dando cabo do meu relacionamento e nao sei como agir. O pai por ve-la "poucos dias" permite tuuuudo e ela esta mimada respondona e mal criada. Tento me impor sem parecer a bruxa má da história mas ta dificil gente o pai n ajuda falo com ele diz que eu nao compreendo porque ainda nao sou mae. Esta me custando muito porque afinal larguei uma vida por ele e agora me sinto totalmente infeliz!!! Penso em largar ele muitas vezes nao estou aguentando mais este pesadelo!!!

    ResponderExcluir
  60. Estou com meu marido a 7anos e ele hj tem um filho de 10. Eu no fundo gosto do menino, mas não consigo demonstrar. Não consigo tratá-lo bem e ele vem de 15 em 15 dias. Minha vida é prefeita, eu e meu marido temos um cachorro e somos muito apaixonados. Ele ama o filho, claro. eu não tenho a menor vontade de ter filho nesse mundo louco. Acho que criança só atrapalha a vida. Não sei o que fazer para conseguir amar o menino. É a única coisa que impede de sermos completamente felizes. A sensação que tenho é que minha vida é um quebra cabeças perfeito, montadinho e quando ele chega uma peça sai do lugar. Coitado é um garoto bom, obediente e inteligente. O problema sou eu. Fui ao psicólogo por alguns meses, estava me ajudando. Mas troquei de plano e ainda não procurei outro. Já orei muito, mas Deus não me respondeu...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Passo pelo mesmo problema que você. Exatamente o mesmo! A criança não tem culpa, sei disso. Mas sofro por me sentir um monstro. Nossa vida é perfeita, mas quando ela vai la pra casa de 15 em 15 dias é um tormento. Ele é um grude, e me sinto excluída pois os dois ficam grudados o tempo todo. Acho tudo meio exagerado..
      Tenho panico de ter filhos porque tenho o mesmo pensamento que você, só atrapalha e compromete a vida do casal.
      Peço a Deus que me tire esse sentimento, mas não consigo! Me faz mal.. não sei o que fazer!

      Excluir
    2. Sei que a criança nao tem culpa , de que qdo eu o conheci eu ja sabia q ele tinha um filho, mas agora na minha casa e eu estando gravida nao quero que ele venha aqui, isso é egoisto? pode ser, mas a casa é minha sou eu que arco com a maioria das dividas, o computador é meu, a internet e a TV tambem..... por isso nao quero nos meus dias de folgas nao poder ficar no meu computador , ficar assistindo aos programas que eu quero ou dividir meu marido com o filho dele. Isso é ciumes, sim sem duvida..... mas o filho nao é meu (alem do mas é a cara da mae) e nao tenho obrigação de dividir nada com alguem que nao é meu. Meu marido que arrume um horario para ver ele nos finais de semana, nunca privei ele disso, de ver o filho, mas nao quero q ele traga para cá , para me tirar da minha tranquilidade . Desculpa Deus pela minha sinceridade, mas quero descansar na minha casa sem arrumar bagunça do filho dos outros.

      Excluir
  61. Eu sou o Dr. EGBE , congratulo-me com todos vocês ao meu mundo e templo de solução eu quero ECOG você que em contato com você de modo que nunca me vai acontecer para você Com os poderes de nossos antepassados. eu quero que você saiba que eu estou aqui para ajudá-lo em qualquer problema que você pode estar enfrentando , eu tenho sido no campo de ajudar as pessoas por mais de 55 anos agora , eu quero que você saiba que eu tenho ajudado mais de 7000 povos resolvem problemas em diferentes clubes de campo e nunca parei de fazer muito de me chamar para me agradecer o bom trabalho que eu tenho feito o meu bom trabalho para eles se espalhou para muitos países país por que é porque eles viram o meu bom trabalho e me ajudou Eles espalhá-lo por todo o mundo inteiro . Eu quero que você saiba que o momento de entrar em contato comigo basta considerar todos os seus problemas resolvidos Porque eu sei que eu onze iniciar o trabalho sobre o seu feitiço você vai testemunhar a todo o mundo aqui é o meu endereço de e-mail entre em contato comigo com ele ( dregbedcaster @ gmail.com . ) você está passando por algum destes problemas ,

    Você precisa de seu VOLTAR EX MUITO RÁPIDO

    DON Você quer que seu amante para TE AMO como nunca antes que

    Você está sofrendo de uma doença MUITO TEMPO

    Você está enfrentando problemas financeiros

    Você está procurando por um bom trabalho

    VOCÊ QUER SE TORNAR UM DONO DA CASA

    VOCÊ ESTÁ PROCURANDO UMA CLASSE primeiro grau

    VOCÊ QUER SAIR PRIMEIRO em seus exames

    É você uma estrela e quer ser tão popular AO MUNDO INTEIRO

    VOCÊ QUER SER RICO

    VOCÊ QUER MANTER O SEU NEGÓCIO EM MOVIMENTO

    VOCÊ TEM UMA EMPRESA DE QUALQUER TIPO E VOCÊ QUER EXPANDIR

    Quer que o seu marido ou esposa PARA MANTER SEU MUNDO

    Você está enfrentando algum problemas conjugais

    VOCÊ está encontrando dificuldades para engravidar para seu marido

    Você está enfrentando algum tempo que você tomar abortos IN

    VOCÊ QUER competir em qualquer jogo de loteria

    Você está enfrentando HARDSHIP

    VOCÊ TEM SIDO AMEAÇADO POR ALGUÉM

    VOCÊ QUER SER BEM SUCEDIDO EM QUALQUER COISA QUE VOCÊ colocar em suas mãos

    É seu filho ou filha se comportando estranhamente

    Você está enfrentando Manipulações bruxaria

    VOCÊ QUER lançar um feitiço sobre SEU AMOR MENINA forte ou Boy Friend

    VOCÊ TEM QUALQUER RELAÇÃO que é anormal

    Poderes mágicos VOCÊ PRECISA FAZER QUALQUER COISA QUE VOCÊ QUER

    Você está encontrando dificuldades para escolher um parceiro de vida

    VOCÊ QUER SER SEUS PAIS orgulhoso de você

    Você precisa de um período da proteção

    Seu marido ou esposa está buscando um divórcio

    Você está experimentando o fracasso e DECEPÇÃO EM QUALQUER coisa que você faz . (ECT)

    Se você estiver enfrentando qualquer um desses problemas tudo que você precisa fazer é apenas para entrar em contato via e-mail ( dregbedcaster@gmail.com ) e será lidar com toda a força e com o meu antepassados ​​oráculo ao meu lado e eu quero fazê-lo testemunhar a mesma coisa forma como outras pessoas fizeram isso espero ter ajudado . Não morra na dor e silêncio para me e-mail os seus problemas serão resolvidos por mim com total speed.I quer recebê-lo novamente para o meu feitiço temple.If você tem qualquer problema que você quer minha ajuda para apenas me e-mail e ele será imediatamente ser resolvido . Aqui está o meu endereço de email ( dregbedcaster@gmail.com )

    ResponderExcluir
  62. No meu caso. é o seguinte. Meu marido tem um filho de 11 anos e o menino é muito apegado com o pai e o pai com ele, não temos filhos ainda e estamos juntos a 4 anos. A guarda é compartilhada, o menino escolhe com quem ele quer passar a semana e assim fica, um pouco na minha casa e um pouco na casa da mãe que mora na mesma cidade que a minha. Eu não me dou bem com a mãe do menino e nem ela comigo. Tento me dar bem com o menino e ele é uma criança tranquila, me respeita e me obedece, mas sinto que ele é muito mimado e isso está atrapalhando o meu casamento, um menino grande e ainda sente medo de dormir sozinho em seu quarto e quer que o pai durma com ele todos os dias que fica lá em casa. Meu marido aceita isso e dorme com ele e eu durmo sozinha. O nosso quanto fica na parte de cima da casa e o do menino na parte de baixo, meu marido queria colocar um colchão do nosso quarto para o filho dormir, para ele não se sentir medo e não concordei, pois ele já é grande e atrapalharia a nossa intimidade e não me deixaria a vontade, se fosse bebê eu deixaria, mas com essa idade, me deixa sem liberdade. E assim ele decidiu, que vai dormir com o menino até ele completar 12 anos, falta 5 meses para isso e vamos ver o que vai acontecer mais pra frente.

    ResponderExcluir
  63. eu estou ouvir para dar testemunho de como eu voltei meu marido, meu nome é karo nos casamos há mais de 9 anos e ter obtido dois filhos. coisa estava indo bem conosco e estamos sempre felizes. até que um dia meu marido começou a se comportar de uma maneira que eu não conseguia entender, eu estava muito confuso com a maneira como ele me e as crianças tratar. mais tarde nesse mês, ele não voltou para casa novamente e ele me ligou que ele quer o divórcio, eu perguntei-lhe o que eu fiz de errado para merecer isso dele, tudo o que ele estava dizendo é que ele quer o divórcio que ele me odeia e não quer me ver de novo em sua vida, que eu era louco e frustrado também não sei o que fazer, eu estava doente por mais de 2 semanas por causa do divórcio. eu amo-o tanto que ele era tudo para mim sem ele a minha vida está incompleta. Eu disse a minha irmã e ela me disse para entrar em contato um lançador de magias, eu nunca acreditar em tudo isso feitiços de uma coisa. Eu só quero tentar se algo vai sair dela. i contactou o Dr. Okojie para o retorno de meu marido para mim, eles me disseram que o meu marido ter sido tomada por outra mulher, que ela lançou um feitiço sobre ele que é por isso que ele me odeia e também quer que a gente divórcio. então eles me disseram que tem que lançar um feitiço sobre ele que vai fazer ele voltar para mim e para as crianças, eles casta o feitiço e após 1 semana meu marido me ligou e ele me disse que eu deveria perdoá-lo, ele começou a se desculpar no telefone e disse que ele ainda me viver que ele não sabia o que aconteceria com ele que ele me deixou. era o feitiço que ele Dr. Okojie casta naquele que ele faz retorno para mim hoje, eu e minha família agora estão felizes novamente hoje. obrigado Dr. Okojie para o que você tem feito por mim eu teria sido nada hoje se não fosse por sua grande feitiço. eu quero que você os meus amigos que estão passando por todo esse tipo de problema amor de voltar seu marido, esposa ou ex-namorado e namorada para contatar drokojiehealinghome@gmail.com. e você verá que o seu problema será resolvido sem qualquer atraso. ele é especializada na resolução de outros problemas, incluindo os seguintes:
    (1) Se você quiser que o seu ex-costas.
    (2) se você sempre tem pesadelos.
    (3) Você quer ser promovido em seu escritório.
    (4) Você quer que as mulheres / homens a correr atrás de você.
    (5) Se você quiser uma criança.
    (6) Se você precisar de ajuda financeira.
    (7) Se você quiser que a cura do HIV AIDS
    contatá-lo agora para solução imediata do seu
    problemas no Drokojiehealinghome@gmail.com
    obrigado

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita. Ficarei muito feliz se quiser deixar seu comentário.