26 de jan de 2011

Da solidão


Há muitas pessoas que sofrem do mal da solidão. Basta que em redor delas se arme o silêncio, que não se manifeste aos seus olhos nenhuma presença humana, para que delas se apodere imensa angústia: como se dos horizontes se levantasse o anuncio do fim do mundo.
No entanto, haverá na terra verdadeira solidão? Não estamos todos cercados por inúmeros objetos, por infinitas formas da Natureza e o nosso mundo particular não esta cheio de lembranças, de sonhos, de raciocínios, de idéias, que impedem uma total solidão?
Tudo é vivo e tudo fala, em redor de nós, embora com vida e voz não humanas, mas que podemos aprender a escutar, porque muitas vezes essa linguagem secreta ajuda a esclarecer o nosso próprio mistério. (...) Cécilia Meireiles

Este texto foi extraído da prova de português do último concurso que prestei recentemente e enquanto o lia para responder as perguntas, me peguei pensando que daria um bom post. A solidão é um estado de espírito que amedronta a maioria das pessoas e ninguém quer viver sozinho, sem amigos e sem família. Bem, existem até alguns que querem, mas é uma minoria, das bem pequenas.
A maioria das pessoas sentem falta de calor humano, de ouvir uma voz amiga,  uma risada gostosa, assistir um filme acompanhado, enfim, de socializar de uma forma geral. Estar em contato com outro ser humano é gostoso e provoca a sensação de ser querido e de não estar só no mundo.
Mas como o texto nos faz refletir, existem pessoas que exageram. Precisam estar em constante ligação com alguém, ou se sentem num deserto afetivo. As vezes me pego pensando como será minha vida, pois muitos dizem que será muito solitária, já que não pretendo ter filhos.
Do alto dos meus 34 anos, eu penso que não, pelo menos visto sob a ótica de que quem tem filho não se sente sozinho. Eu gosto de pessoas, aliás gosto muito e adoro conversar e socializar, mas também aprecio meus momentos de solidão. Gosto de assistir filmes sozinhas  e se faltar companhia, não me importo de ir à praia ou ao cinema desacompanhada.
Aos poucos fui aprendendo a valorizar meu interior, a gostar da minha própria companhia e como o texto sugere, estou tentando aprender a escutar, não apenas as pessoas, mas também tudo o que me cerca.
Pretendo a cada dia aprender a me gostar, a me satisfazer e depender apenas de mim para ser feliz. O outro será apenas um complemento. Com isso, não pretendo dizer que quero terminar meus dias sozinha, prezo muito a idéia de envelhecer junto ao meu companheiro, mas sim que a ausência de um amor, seja de um homem ou de um filho não podem significar uma sentença de morte.
E você, tem medo da solidão?

19 comentários:

  1. Oi Paula, excelente post...olhe, adoro estar sozinha em casa (como agora), ir ao cinema, ao shopping, passear na rua sozinha...não tenho nenhum problema em estar comigo mesma...aprecio a minha companhia. Adoro meus amigos e meu marido, mas sinto que precisa de momentos de solitude (não de solidão) e isso, para mim é a mais autêntica forma de liberdade...beijos

    ResponderExcluir
  2. Oi Paula!!
    Um texto excelente...
    Adorei!!!
    Mas não gosto mt de ficar sozinha não de vez enquando é bom, mas sempre é sufocante
    Bjokas

    ResponderExcluir
  3. Tbm gostei do post.
    Gosto de ficar sozinha uma vez ou outra.
    Mas já tive época, em queria estar o tempo todo rodeada de pessoas.
    Aprendi aos poucos que, mesmo que esteja acompanhada, me sinto só do mesmo jeito..
    bjus

    ResponderExcluir
  4. Ótimo post Paula!

    Eu sou quase um ser misantropo...Aliás, sou bem extremista.
    AO mesmo tempo que AMO estar rodeada de pessoas (tanto que amo de paixão ser professora), tb necessito curtir minha própria existência.
    Fico sozinha numa boa, sem neuras, e acho que isso é fundamental.
    É fundamental ter tempo pra ouvir o próprio coração, ponderar sobre a própria vida.

    Beijão

    ResponderExcluir
  5. Paula, nem se preocupe com isso, vira e mexe acontece comigo tb, falhas do google, sei lá!

    Mas obrigada mesmo assim! ;)

    ResponderExcluir
  6. Estar só não é o mesmo que ser só. O primeiro é um sentimento passageiro, enquanto o outro é um sentimento que persiste e prospera dentro do solitário. É a convicção íntima de que não econcotrou alguém que compartilhe de sua visão de vida ou de mundo, é a descrença de que ao seu redor haja com quem compartilhar, com compreensão, suas alegrias e tristezas.

    ResponderExcluir
  7. Oi Paula!

    Eu, ultimamente (uns meses já), tenho preferido e muito, ficar sozinha. Muito mesmo. Tenho preferido meus amigos virtuais... Estou decepcionada (mais uma vez) com o ser humano...
    Infelizmente.
    Mas teu texto é excelente. Ótima reflexão, querida!

    Beijos

    Carla

    ResponderExcluir
  8. Oi Paula, tem dias que fico sozinha e dá uma sensação horrível e tem dias que agradeço a Deus por estar só...vai entender né...mas no geral acho que preciso ter sempre um tempinho para conversar comigo mesma e por a cabeçinha no lugar senão fico louca.
    Parabéns pelo blog sou nova no pedaço, te achei pelo blog da Flávia que é minha amiga também bjs

    ResponderExcluir
  9. Olá Blogueiro,

    Evitar a proliferação da dengue depende de cada um de nós. Além de cuidar da sua casa, falar com seus vizinhos, manter contato com sua prefeitura sobre focos da doença, você pode utilizar esse espaço para conscientização.

    Seja parceiro do Ministério da Saúde na mobilização contra o mosquito da Dengue. Divulgue em seu blog nosso material. Entre em contato com comunicacao@saude.gov.br e solicite o selo, participe da campanha.

    Saiba mais: http://bit.ly/bMMVKT

    ResponderExcluir
  10. Eu já tive. Quando mais jovem fazia qualquer coisa para não ficar sozinha e, de tanto me decepcionar com amizades que não valeram a pena aprendi que a melhor compania sou eu mesma e hoje adoro ficar sozinha. Não que eu não goste de amizades , de conversar e encontrar pessoas, apenas aprendi o quando pode ser gostoso ter os meus momentos, especialmente de madrugada, quando o "mundo" está dormindo. O silêncio e a solidão também são excelentes para refletir sobre o que estamos fazendo da nossa vida e quais são nossos objetivos.
    Adorei o post!
    Beijocas
    Adri

    ResponderExcluir
  11. Oi, Paula, a solidão nem sempre se dá pela ausência de pessoas ao nosso redor, muita gente se só mesmo em meio a uma multidão. Mas a verdade é que estar só e saber estar é algo que precisamos aprender e a melhor forma de começar é estando bem consigo mesmo. Eu curto ficar apenas na minha companhia às vezes, e econtro nos livros compaheiros maravilhosos, quase sempre. Adoro estar com a família e os amigos, mas preciso de momentos só meus também! Ótimo post!

    ResponderExcluir
  12. Oi Paulinha,

    Quando eu era mais jovem, não curtia ficar sozinha, sempre estava na casa de amigas, saindo para as baladas, estudando em grupo, namorando, etc

    Mas, hoje em dia, já casada e decepcionada com muita gente, optei por me isolar um pouco.
    Tudo na vida é uma fase.
    Atualmente a minha é de ficar sozinha com meu marido, ir ao shopping sozinha sem ninguém me enchendo o saco, opinando ou puxando meu tapete.

    Esta solidão escolhida por mim permanecerá assim até eu voltar ao Brasil. Lá tenho esperança de encontrar pessoas menos estressadas, menos solitárias e carrancudas.
    Aqui o povo vive cansado, não tem papo e só quer se meter na sua vida.

    Acredito que a solidão é uma fase, portanto.

    Ótima reflexão a sua!
    Parabéns.

    ps.: fiquei super feliz ao ver você seguindo minha amigona Fá. Beijão!

    ResponderExcluir
  13. Paulinha, que astral bom que vcs tem. Eu e marido tb somos bem risonhos hahaha
    A gente se diverte muito junto.
    Eu acho que com um astral bom as vezes é difícil passar por certas coisas. Imagina de mau humor...
    Então, sou cegueta mesmo. Não enxergo nadinha sem óculos ou lentes. Já me adaptei as lentes. Eu uso as descartáveis que custam em média 70,00 com 3 pares (do mesmo grau). Elas são mais fininhas e tem a vantagem de mês em mês trocá-las. Ou seja a possibilidade de ter fungos é bem menor. A ideia da cirurgia me encanta, mas não é algo urgente. Não sou muito amiga de cirurgias sabe? rsrsrs
    Beijos, Camila.

    ResponderExcluir
  14. Oi... vim aqui pelo blog do Caesar... Adorei o texto! Muito bom! Já tive meus momentos de solidão e não vou mentir, aproveitei estes momentos. Me senti incrivelmente bem comigo mesma. No entanto, a verdade é que são apenas fases e que na maior parte do tempo a gente quer ter alguém por perto. Hoje, vivendo um amor, desejo todos os dias que envelhecer ao lado dele e nunca mais me sentir sozinha ou estar sozinha. Mas é bom saber que se isso acontecer, eu me dou bem comigo mesma. Te seguindo! Beijos!

    ResponderExcluir
  15. Realmente quem tem filhos nunca se sente sozinho, mas isso só vale enquanto sao crianças, depois que crescem, só Deus sabe se nos farão companhia, se cuidarão de nosa velhice. É claro que ter filhos, muitos como no meu caso, diminui a probabilidade de uma velhice solitária, mas não é garantia de nada. Acho que o que faz as pessoas sentirem-se solitárias não é nem a falta de companhia, mas a falta de atenção, de compreensão, de aconchego. E isso acontece mesmo em meio a multidões.
    Solidão não é um estado físico, mas um estado de espírito.

    Beijos

    ResponderExcluir
  16. Adorei o texto Paulinha! Eu prezo muito minha solitude que em nenhum momento é solidão!
    beijocas,
    mari

    ResponderExcluir
  17. Eu sou mais uma das que apreciam a própria companhia: fico bem sozinha e até sinto necessidade de um tempo só meu, pra me reorganizar e entender o que estou sentindo. Quanto à falarem que quem não tem filhos acaba sozinho acho uma bobagem: filhos crescem, criam a própria vida e saem do ninho, não pra viver só em função deles. Marido morre, amigos somem, parentes brigam... enfim, nada é garantia por isso acho que o gostar de estar consigo mesmo adquire mais importância ainda. Muitas vezes, "eu sou a minha melhor companhia".

    ResponderExcluir
  18. hoje é domingo e foi mais um dia de solidão,passei todo ak nessa imensa casa sozinha sabe tenho 30 anos e nunca tive oportunidade de ter um filho por ser muito consciente não quero q um filho passe por todas as dificuldades q passei e passo na vida,sou casada,mas me sinto muito só,é um vazio q vem de dentro de mim,ja procurei psicólogos e eles dizem q pode ser mesmo pela idade e a falta de um filho meu marido trabalha muito e a maior parte do tempo estou sozinha,tenho muito medo da velhice,pois sei q estarei só como sempre estive.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. estava lendo os comentarios deste blog e me identifiquei com vc. Mas vc e jovem e ainda pode ter filhos, ou se e que ja nao teve. Me responda, por favor.

      Excluir

Obrigada pela visita. Ficarei muito feliz se quiser deixar seu comentário.