24 de set de 2010

O profissional mal-educado


Certas coisas nos causam bastante indignação Ontem, quinta-feira, recebi a visita de um promotor de vendas de plano saúde e apesar de ter acabado de chegar do supermercado e ter diversas coisas para fazer, fui simpática e o atendi cordialmente.
Depois que o homem falou sobre a proposta da empresa, o plano de saúde era desses popular em que se paga uma pequena mensalidade por mês e as consultas e exames são cobrados a parte, com desconto, falei para ele que não tinha interesse, mas se ele quisesse poderia deixar o telefone para futuro contato.
O vendedor insistiu para eu fechar contrato naquele instante e com minha recusa, virou as costas e disse que não deixaria telefone nenhum. Que raiva do sujeitinho! Então é assim, somos obrigados a aceitar o que não queremos, apenas para satisfazer o vendedor!? Em nenhum momento eu o tratei com falta de educação, aliás esta postura não faz parte da minha personalidade, por isso não entendi tal grosseria.
O meu primeiro emprego foi de caixa num supermecado. Acho que todos nós já fomos destratados ou ignorados por um operador, pois muitos são tão "azedos", que nem ao menos nos olham quando passamos nossas compras. 
No tempo que exerci esta profissão, e foram quase três anos, eu procurava ser simpática com todos os clientes, afinal eles não são culpados pelas péssimas condições de trabalho dispensados pelos empregadores. O que motivou minha saída da empresa foi justamente quando percebi que corria o risco de me transformar em mais uma operadora de caixa estressada e capaz de ficar batendo boca com os clientes.
No início desta semana fui ao dentista, estou fazendo um looongo tratamento, mas desisti de ser atendida quando vi a quantidade de pessoas na minha frente. Decidi resolver outras coisas e voltar outra dia, melhor do que ficar do lado de fora do consultório, metendo o malho na dentista, como vejo sempre acontecer.
Eu sou assim. Não gosto de reclamações vãs, que não levam em lugar nenhum e não sou mal-educada gratuitamente.
Infelizmente tive a falta de sorte de topar com este homenzinho ridículo, profissional de meia tigela, que com certeza desconhece as regras de bom comportamento.

4 comentários:

  1. Paula, vc é uma graça e escreve muito bem! Ainda bem que viu que não queria o mau humor das caixas de supermercado pra você e mudou! Parabéns! Eu meio que rodo a baiana sim, mas como disse em meu outro comentário, estou tentando mudar isso e focar mais no positivo! O cara é um babaca e por vc ser educada e tinha achado que vc ja estava no papo! Parabéns por não cair na conversa! E parabéns por não se deixar contaminar pelo mau humor e neurose das pessoas!
    beijcas,
    Mari.

    ResponderExcluir
  2. Oi querida.
    Ser grossa com quem merece não é problema.
    Agora, neste caso do vendedor, foi uó! rs
    Uma vez fui muito mal atendida numa loja e fiz um escarcel!!!! Fui até a administração do shopping fazer um registro oficial e soube que a vendedora foi demitida.
    Hoje, após muito tempo, acho que exagerei, mas ela deveria ter se colocado no lugar certo.

    Estou trabalhando minha paciência, mas às vezes deslizo feio! kkkk
    Beijos querida!

    ResponderExcluir
  3. É Paula mas infelizmente pessoas assim cm ele existem muitas por ai.,.. Tbm não gosto d reclamação não e acho q em qualquer lugar q vc vá está sujeita a ter q esperar a sua vez de ser atendida...
    Bom sábado
    Bjokas

    ResponderExcluir
  4. Amiga do meu cuore!
    Eu amo suas visitas mesmo quando vc passa lá rapidinho só pra deixar um beijo!
    Olha, eu prometi um agradecimento especial neste fim de semana lá no meu blog, mas não deu. É que eu queria fazer em formato vídeo.
    Pronto, falei!

    Só tô te contando pra vc não achar que estou enrolando! rsrs.... É que quero fazer uma coisa bacana!!! Vc merece!!!!

    Beijinhos!!! E vê se descansa!!!! Bjssss

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita. Ficarei muito feliz se quiser deixar seu comentário.