10 de dez de 2010

O outro

O tema recorrente ultimamente em vários blogs tem sido o cyberbullyng ou bullyng virtual, por conta dos crescentes episódios de pessoas que são "agredidas " com palavras ofensivas nas redes sociais. O bullyng tradicional ou virtual, esta muito centrado entre crianças e jovens e a diversas campanhas veiculadas pelos meios de comunicação com objetivo de coibir esse tipo de prática, que pode gerar vários transtornos para quem sofre o abuso.
Segundo pesquisas, o bulling caracteriza-se pelo desequilíbrio de poder. Aquele que tem mais força física ou psicolígica e um perfil mais agressivo, humilha o mais fraco e realmente tem tudo a ver com a fase mais imatura, em que muitos jovens procuram a auto-afirmação por meio da força física, intimidação ou da chacota.
Contudo, o cyberbullyng não reconhece critérios de idade e pessoas que há muito já saíram da adolescência tem se validade do anonimato, para infernizar a vida de internautas.
Passeando ontem no google, acessei um blog sobre dicas de cabelo, na qual a blogueira postou um vídeo sobre técnincas de escova definita. Haviam vários comentários elogiando, mas o que me chamou a atenção foi uma crítica, que nada tinha a ver com a técnica da cabelereira: a comentarista simplesmente atacava a blogueira por ela ter postado um video no qual aparecia com as axilas sem depilar e dizia que os pelos mais pareciam uma moita.
Confesso que não assisti o video, era um pouco longo e demoraria para carregar. Mas independente se a blogueira estava ou não com as axilas sem depilar, isso não justifica tamanha falta de educação. Os especialistas nomearam este  ato repugnante de bullyng virtual, mas para mim é puro e simples desreipeito. 
É intolerância ao outro. Aos defeitos do outro.As idéias do outro. As preferências do outro. A nacionalida de do outro. A raça do outro. Enfim, em tudo que é diferente no outro.
A consequência de não se respeitar o outro,  é a disseminação da violência, seja verbal, escrita ou física. Ataques em forma de palavras ofensivas que tem o poder de atingir o ser humano como uma flexa envenenada. Com o agravante do poder fulminante da internet, que permite que milhares de pessoas assistam a sua "desgraça".
Ainda não me aconteceu de receber comentários vexatórios, mas isso pode acontecer a qualquer momento. Uma simples palavra escrita errada pode despertar a "xenofobia" de alguém, que se voltará contra a mim com palavras desagradáveis, com o intuito de me expor ao ridículo.
Por que perder tempo com tão pouco? Por que criticar o outro, quando deveríamos ser críticos de nós mesmos?
Acho que o cerne da questão é se colocar no lugar do outro. Quando tomamos esta atitude, de pensar no que o outro sentirá, no que você sentiria se fosse o outro, deixaríamos de cometer muitas injustiças.
É tão simples. É tão fácil. É só se colocar no lugar do outro
E pensando bem, o outro somos nós mesmo. Você é o outro para alguém.

13 comentários:

  1. Olá Paula!

    Bela sua postagem...
    Lembro-me de um dia que fiz um texto que muito me agradou, sei lá, fiquei feliz em criá-lo, orgulhosa sabe, então dentre muitos comentários interessantes, veio um anônimo que dizia:

    "Isso tudo é um monte de mer..."

    Não me sentiria magoada se falassem da minha roupa, sei lá, de qualquer outra coisa que não fosse a minha paixão pela escrita...
    É isso aí, mas passou, graças a Deus foi apenas um...

    Bjs linda

    Mila

    ResponderExcluir
  2. Hey Paula é isso mesmo!
    Julgar e sem nenhuma consideração e como vc acho que é mesmo falta de educação!
    beijocas,
    Mari

    ResponderExcluir
  3. Paula!
    Esse problema é mais sério do que imaginamos, e triste!
    Adorei a postagem, especialmente essa frase:
    " E pensando bem, o outro somos nós mesmo. Você é o outro para alguém. "
    Parabéns pelo texto!

    Obrigada pelo comentário no blog!
    E imagino que sendo verão, no Brasil, no Rio... Vc deve estar arrasando com acessórios Leopard! Está com tudo mesmo! Aproveite!
    Ah, o All Star, é mesmo um pouco 'diferente', rs... E nem deu tempo de ir comprar hj, nem sei se vou achar mais...

    Ótimo final de semana!
    Beijokas!
    ^^

    ResponderExcluir
  4. Oi querida,realmente otima a sua postagem e vc esta certissima,as vitimas de tudo isso sofrem por anos e anos e ate acreditam serem diferentes..Sao pessoas inseguras,timidas, realmente sera´ que isso vai ter fim um dia?Converso muito com as minha meninas sobre isso,pois acho que na escola e´ a fase inicial,pergunto sempre se esta tudo bem etc e tal..Beijinhos querida e Parabens pelo seu blog,e´ lindo!!

    ResponderExcluir
  5. Oi Paulinhaaaaaaaaaa!!!!!

    Menina, sabia que seu blog está muito muito muito bom??!!! Eu adoro vir aqui, seus textos são ótimos e a nossa amizade vem crescendo a cada dia. Fico tão feliz!
    Esse assunto é muito importante, infelizmente muitas pessoas estão sofrendo o (cyber)bullyng. Viver isso no mundo "real" ou no virtual deve ser mesmo uma experiência horrível e até traumática.
    Excelente texto querida!
    Sou sua fã!
    Uhuuuuu!!!!!!

    ResponderExcluir
  6. "O inferno são os outros", já disse Jean Paul Sartre.

    O problema não é, exatamente, o que o outro diz a seu respeito mas a importância que o que ele diz tem para você.

    Um budista, por exemplo, pode ser desprendido o bastante para, simplesmente, não dar valor ao que de negativo pensam ou falam a respeito dele. Isso esvazia o conteúdo da agressão e esa deixa de ser agressão na medida em que o agredido não sente o desrespeito.

    Há também algo nesse sentido em "O Livre Arbítrio", de Santo Agostinho.

    Mas como tal desprendimento nem sempre é possível, vamos lembrar que a alma humana é assim, por vezes doce,por vezes amarga.

    P.S.: estava esperando uma manifestação sua no último post polêmico do ano....rsrsrs

    ResponderExcluir
  7. Paula,
    clap, clap, clap... belissímo post.
    "Você é o outro para alguém" resume tudo.
    bjs carinhosos
    Jussara

    ResponderExcluir
  8. Paula,

    Excelente postagem! Acho que se for pra comentar com ofensas ou falta de educação, é melhor nem fazer comentário nenhum, pra quê? O problema é que tem gente que gosta, eu acho, de desrespeitar, de ser mal educado, de ofender. Tem gente que se diverte com isso, o que é muito desagradável. A melhor coisa é excluir o comentário e ignorar o imbecil.

    Deixa eu te perguntar uma coisa: você faz backup do seu blog? Tem um texto ótimo no link: http://www.elainegaspareto.com/ com dicas ótimas para não perder os textos e o blog. Não sei se você leu, mas vale a pena dar uma olhada.

    Beijos

    Carla

    ResponderExcluir
  9. Nossa! Vc falou do mesmo assunto (com o mesmo título!) de um dos meus últimos post! Sintonia! Coisa boa saber que mais pessoas andam pensando sobre "o outro"! Abraços!

    ResponderExcluir
  10. Então amiga!
    Minha família é toda de São Paulo!!
    E de SP para o RJ é um pulo!!!!!
    Vamos nos encontrar sempre!!!!!!!!!!!!!!!!
    Beijão amiga!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  11. Paula, que pena que vc adoeceu. Espero que esteja melhor. Sinusite é muito chato ne?
    Olha, essa história de bullying é o fim da picada. A gente tem que ficar de olho nas nossas crianças pra ver o que está acontecendo nas escolas delas. Pq isso começa desde pequenininho.
    Beijos e melhoras.

    ResponderExcluir
  12. Notícias do Heitor - Diário de um Tonto, no meu blog.

    Bjos!!
    @letrasaltitando

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita. Ficarei muito feliz se quiser deixar seu comentário.